Raphael

Raphael

No calendário litúrgico franciscano, o dia 2 de agosto é dedicado à celebração da Festa de Nossa Senhora dos Anjos, popularmente conhecida como “Porciúncula”. Na introdução do texto litúrgico do missal e da liturgia das horas, se diz o seguinte:

“O Seráfico Pai Francisco, por singular devoção à Santíssima Virgem, consagrou especial afeição à capela de Nossa Senhora dos Anjos ou da Porciúncula. Aí deu início à Ordem dos Frades Menores e preparou a fundação das Clarissas; e aí completou felizmente o curso de seus dias sobre a terra. Foi aí também que o Santo Pai alcançou a célebre Indulgência , que os Sumos Pontífices confirmaram e estenderam a outras muitas igrejas. Para celebrar tantos e tão grandes favores ali recebidos de Deus, instituiu-se também esta Festa Litúrgica, como aniversário da consagração da pequenina ermida”.

 

A propósito da Porciúncula, o Santo Padre se expressou recentemente nos seguintes termos: “O caminho espiritual de São Francisco teve início em São Damião, mas o verdadeiro lugar amado, o coração pulsante da Ordem, onde a fundou e onde, por fim, entregou sua vida a Deus, foi a Porciúncula, a ‘pequena porção’, o cantinho junto à Mãe da Igreja; junto a Maria que, por sua fé tão firme e por seu viver tão inteiramente do amor e no amor com o Senhor, todas as gerações a chamarão bem-aventurada.”

Como São Francisco pediu e obteve a indulgência do perdão

Segundo o testemunho de Bartolomeu de Pisa, a origem da Indulgência da Porciúncula se deu assim:

Uma noite, do ano do Senhor de 1216, Francisco estava compenetrado na oração e na contemplação na igrejinha da Porciúncula, perto de Assis, quando, repentinamente, a igrejinha ficou repleta de uma vivíssima luz e Francisco viu sobre o altar o Cristo e à sua direita a sua Mãe Santíssima, circundados de uma multidão de anjos. Francisco, em silêncio e com a face por terra, adorou a seu Senhor.

Perguntaram-lhe, então, o que ele desejava para a salvação das almas. A resposta de Francisco foi imediata: “Santíssimo Pai, mesmo que eu seja um mísero pecador, te peço, que, a todos quantos arrependidos e confessados, virão a visitar esta igreja, lhes conceda amplo e generoso perdão, com uma completa remissão de todas as culpas”.

O Senhor lhe disse: “Ó Irmão Francisco, aquilo que pedes é grande, de coisas maiores és digno e coisas maiores tereis: acolho portanto o teu pedido, mas com a condição de que tu peças esta indulgência, da parte minha, ao meu Vigário na terra (Papa)”.

E imediatamente, Francisco se apresentou ao Pontífice Honório III que, naqueles dias encontrava-se em Perusia e com candura lhe narrou a visão que teve. O Papa o escutou com atenção e, depois de alguns esclarecimentos, deu a sua aprovação e disse: “Por quanto anos queres esta indulgência”? Francisco, destacadamente respondeu-lhe: “Pai santo, não peço por anos, mas por almas”.

E feliz, se dirigiu à porta, mas o Pontífice o reconvocou: “Como, não queres nenhum documento”? E Francisco respondeu-lhe: “Santo Pai, de Deus, Ele cuidará de manifestar a obra sua; eu não tenho necessidade de algum documento. Esta carta deve ser a Santíssima Virgem Maria, Cristo o Escrivão e os Anjos as testemunhas”.

E poucos dias mais tarde, junto aos Bispos da Úmbria, ao povo reunido na Porciúncula, Francisco anunciou a indulgência plenária e disse entre lágrimas:”Irmãos meus, quero mandar-vos todos ao paraíso!”

As condições para se receber a indulgência plenária

No dia 2 de agosto de cada ano (das 12 horas do dia 1º de agosto até as 24 horas do dia 2), pode se adquirir a Indulgência Plenária, com as seguintes condições:

• Visitando uma igreja paroquial, onde se reza o Credo, para afirmar a própria identidade cristã; e o Pai Nosso, para afirmar a própria dignidade de filhos de Deus recebida no Batismo;

• Confissão sacramental para estar em graça de Deus (oito dias antes ou depois);

• Participar da Eucaristia;

• Uma oração nas intenções do Papa.

A indulgência só pode ser lucrada uma vez.

Fonte: franciscanos.org.br

Terça, 30 Julho 2019 08:33

Escala de Missas - Agosto de 2019

Quarta, 24 Julho 2019 15:32

O Perdão não nasce do nosso sentimento

 

O perdão não nasce do nosso sentimento, mas sim da nossa decisão

O perdão afeta a santidade e o nosso corpo. Sabemos que São Pedro perguntou a Jesus até quantas vezes precisamos perdoar, e o Senhor respondeu: “Não só 7 vezes 7, mas 70 vezes 7”. Em uma casa, uma família precisa perdoar um usuário de drogas, em um dia, 70 vezes 7.

O perdão não nasce do nosso sentimento, mas sim da nossa decisão, é uma decisão de amor; é uma graça que Deus nos dá. Algumas vezes, perdoamos querendo algo em troca, ou falamos: “Perdoei tal pessoa, mas ela não muda”; no entanto, o perdão é nosso. Não podemos esperar mudança nem reconhecimento, o perdão precisa ter gratuidade.

Há pessoas que se decidem a não perdoar, e se você livremente não toma a decisão de perdão, você não entrará no rio da misericórdia. Já pensou se Jesus falasse assim com você: “Veio confessar de novo o mesmo pecado? Virou brincadeira!…”? Mas isso nunca vai acontecer, porque Deus vai nos perdoar sempre.

Se nós não perdoamos uma pessoa gratuitamente, mesmo que ela não venha a mudar, estamos fazendo a ela um mal espiritual terrível, estamos escravizando-a.

Existem pessoas que resolvem pegar o passado e enterrá-lo. Preste atenção: você não é o senhor do tempo, o seu passado não é para ser enterrado, mas sim redimido no Sangue de Jesus Cristo. Descave o seu passado, o que você precisa é perdoar, é colocá-lo aos pés da cruz, para que ele seja redimido.

Primeiro caso equivocado: perdoar esperando recompensa. Segundo caso: enterrar o passado. O terceiro passo: não perdoar, porque essa pessoa lhe fez mal. Por exemplo: “Como vou perdoar uma pessoa que matou o meu pai?”. Eu lhe respondo: com a graça de Deus. Você não tem nenhum motivo para não perdoar. O quarto caso é: “Perdoei. Agora chega! Já faz 60 anos que perdoei esse infeliz e ele faz a mesma coisa”. Você só será santo se perdoar até o fim.

O perdão e a escola dos Santos

São João da Cruz pediu uma graça a Deus de não ser amado por ninguém. Quando ele percebeu que estava para morrer, ele buscou o convento no qual ninguém gostava dele. E disse que queria morrer naquele local, porque queria morrer perdoando.

Quem tem a coragem de querer morrer na casa da pessoa que mais lhe fez mal? Meus queridos, nós amamos muito e não queremos sofrer, não queremos a frustração. Achamos que ser feliz é não ter problemas, achamos que ser feliz é estar tudo bem, mas não é isso que diz o Evangelho. Como você quer seguir Jesus, que passa pela cruz, e não quer sofrer? Ser feliz é amar a Deus, é viver como Jesus a radicalidade do Evangelho.

Santa Terezinha, certa vez, levou uma sobrinha para o convento para cuidar da menina, daí começou a haver um boato na cidade de que ela havia tido uma filha antes de ir para lá [convento], até que uma irmã lhe informou sobre o comentário que ocorria na cidade, e a santa francesa respondeu: “Já fiz tantas coisas erradas, que eles não souberam. Deixe-os falar para que essa fique por conta do que eles não sabem”.

O quinto caso é: “Não vou perdoar, porque ele fez de propósito”, mas isso não faz diferença para o perdão. A graça do perdão jorra de Jesus Cristo. São João da Cruz diz que tanto faz se um passarinho está amarrado por um barbante ou por uma corrente, pois das duas formas ele estará amarrado. Assim é o perdão: não importa se o que você tem quer perdoar é algo grande ou pequeno.

Nenhum pecado atinge só a alma, atinge nosso corpo também, pois este foi feito para expressar a santidade de Deus, o nosso corpo expressa a nossa história de vida.

Deus quer nos “revirginizar”, isto é, quer nos santificar na nossa alma e no nosso corpo.

Quarta, 24 Julho 2019 15:32

O Perdão não nasce do nosso sentimento

 

O perdão não nasce do nosso sentimento, mas sim da nossa decisão

O perdão afeta a santidade e o nosso corpo. Sabemos que São Pedro perguntou a Jesus até quantas vezes precisamos perdoar, e o Senhor respondeu: “Não só 7 vezes 7, mas 70 vezes 7”. Em uma casa, uma família precisa perdoar um usuário de drogas, em um dia, 70 vezes 7.

O perdão não nasce do nosso sentimento, mas sim da nossa decisão, é uma decisão de amor; é uma graça que Deus nos dá. Algumas vezes, perdoamos querendo algo em troca, ou falamos: “Perdoei tal pessoa, mas ela não muda”; no entanto, o perdão é nosso. Não podemos esperar mudança nem reconhecimento, o perdão precisa ter gratuidade.

Há pessoas que se decidem a não perdoar, e se você livremente não toma a decisão de perdão, você não entrará no rio da misericórdia. Já pensou se Jesus falasse assim com você: “Veio confessar de novo o mesmo pecado? Virou brincadeira!…”? Mas isso nunca vai acontecer, porque Deus vai nos perdoar sempre.

Se nós não perdoamos uma pessoa gratuitamente, mesmo que ela não venha a mudar, estamos fazendo a ela um mal espiritual terrível, estamos escravizando-a.

Existem pessoas que resolvem pegar o passado e enterrá-lo. Preste atenção: você não é o senhor do tempo, o seu passado não é para ser enterrado, mas sim redimido no Sangue de Jesus Cristo. Descave o seu passado, o que você precisa é perdoar, é colocá-lo aos pés da cruz, para que ele seja redimido.

Primeiro caso equivocado: perdoar esperando recompensa. Segundo caso: enterrar o passado. O terceiro passo: não perdoar, porque essa pessoa lhe fez mal. Por exemplo: “Como vou perdoar uma pessoa que matou o meu pai?”. Eu lhe respondo: com a graça de Deus. Você não tem nenhum motivo para não perdoar. O quarto caso é: “Perdoei. Agora chega! Já faz 60 anos que perdoei esse infeliz e ele faz a mesma coisa”. Você só será santo se perdoar até o fim.

O perdão e a escola dos Santos

São João da Cruz pediu uma graça a Deus de não ser amado por ninguém. Quando ele percebeu que estava para morrer, ele buscou o convento no qual ninguém gostava dele. E disse que queria morrer naquele local, porque queria morrer perdoando.

Quem tem a coragem de querer morrer na casa da pessoa que mais lhe fez mal? Meus queridos, nós amamos muito e não queremos sofrer, não queremos a frustração. Achamos que ser feliz é não ter problemas, achamos que ser feliz é estar tudo bem, mas não é isso que diz o Evangelho. Como você quer seguir Jesus, que passa pela cruz, e não quer sofrer? Ser feliz é amar a Deus, é viver como Jesus a radicalidade do Evangelho.

Santa Terezinha, certa vez, levou uma sobrinha para o convento para cuidar da menina, daí começou a haver um boato na cidade de que ela havia tido uma filha antes de ir para lá [convento], até que uma irmã lhe informou sobre o comentário que ocorria na cidade, e a santa francesa respondeu: “Já fiz tantas coisas erradas, que eles não souberam. Deixe-os falar para que essa fique por conta do que eles não sabem”.

O quinto caso é: “Não vou perdoar, porque ele fez de propósito”, mas isso não faz diferença para o perdão. A graça do perdão jorra de Jesus Cristo. São João da Cruz diz que tanto faz se um passarinho está amarrado por um barbante ou por uma corrente, pois das duas formas ele estará amarrado. Assim é o perdão: não importa se o que você tem quer perdoar é algo grande ou pequeno.

Nenhum pecado atinge só a alma, atinge nosso corpo também, pois este foi feito para expressar a santidade de Deus, o nosso corpo expressa a nossa história de vida.

Deus quer nos “revirginizar”, isto é, quer nos santificar na nossa alma e no nosso corpo.

Quarta, 24 Julho 2019 15:22

Curso Bíblico com Frei Donald Chin

Segunda, 22 Julho 2019 09:55

Missa em Honra a São Frei Galvão

Sexta, 19 Julho 2019 13:23

Missa São Frei Galvão

“O gozo espiritual é o melhor sinal de que a graça habita em uma alma”, escreveu uma vez São Boaventura, Doutor da Igreja, conhecido como “Doutor Seráfico”, por seus escritos cheios de fé e amor ao Senhor. Sua festa é celebrada neste dia 15 de julho.

São Boaventura nasceu na Itália por volta de 1221. Depois de tomar o hábito da ordem franciscana, estudou na Universidade de Paris (França). Posteriormente, ensinou Teologia e Sagrada Escritura nesse mesmo centro de estudos.

Dedicava muito tempo à oração e seu rosto alegre e sereno era o reflexo de sua alma. Entretanto, começou a se considerar indigno, cheio de faltas, e algumas vezes se abstinha de comungar, embora sua alma desejasse receber a Eucaristia com todo seu amor.

Mas, Deus lhe mostrou sua misericórdia e teve uma revelação divina em que recebeu a comunhão. Desde aquele dia, São Boaventura comungou normalmente e depois se preparou para receber a ordem sacerdotal.

Compôs seu “Comentário às Sentenças de Pedro Lombardo”, que é uma grande suma de teologia escolástica. “A maneira como se expressa sobre a teologia, indica que o Espírito Santo falava por sua boca”, dizia o Papa Sisto IV sobre esta obra.

Nessa época, foi desencadeado um ataque de alguns professores da Universidade de Paris contra os franciscanos, produto da inveja e desconforto que geravam os êxitos pastorais da vida santa dos membros da ordem.

O Papa interveio e, depois de uma investigação, devolveu aos filhos de São Francisco suas cadeiras. Em 1257, São Boaventura e Santo Tomás de Aquino receberam o título de doutores.

São Boaventura foi eleito superior geral dos frades menores e assumiu uma ordem dividida entre os que pediam uma severidade inflexível e os que desejavam que se mitigasse a regra original. Dessa maneira, o santo começou a escrever a vida de São Francisco de Assis.

Em uma ocasião, Santo Tomás de Aquino foi visitar Boaventura quando escrevia sobre “o pobre de Assis”. Ao chegar, encontrou-o em sua cela em plena contemplação e Santo Tomás se retirou dizendo: “Deixemos um santo trabalhar por outro santo”. Esta obra biográfica se chamou “Lenda Maior”.

Foi nomeado Cardeal Bispo de Albano e chamado imediatamente para Roma. O Papa Gregório X lhe encomendou a preparação dos temas do Concílio ecumênico de Lyon sobre a união com os gregos ortodoxos, no qual participou ativamente.

Renunciou a seu cargo de superior geral da ordem e pouco tempo depois partiu para a Casa do Pai, na noite de 14 para 15 de julho de 1274, em Lyon.

Página 1 de 100