Raphael

Raphael

Vaticano, 24 Nov. 17 / 09:00 am .- O Papa Francisco comentou, na Missa celebrada na Casa Santa Marta, um dos evangelhos mais conhecidos: o relato no qual Jesus expulsou os comerciantes do templo e lamentou que muitas vezes as igrejas parecem “supermercados” e não refletem a gratuidade de Deus.

“Quantas vezes, que tristeza, entramos em um templo... Por exemplo, em uma paróquia, em um episcopado, não sei... Entramos e não sabemos se estamos na casa de Deus ou num supermercado”.

“Uma loja, a lista de preços para os sacramentos... falta gratuidade. Deus nos salvou gratuitamente, não nos cobrou nada”, destacou.

Algumas pessoas podem dizer que “é necessário ter dinheiro para manter as estruturas, os sacerdotes, etc...”. “Dá a gratuidade e Deus fará o resto. Deus fará o que falta”.

O Bispo de Roma desejou que as igrejas sejam “igrejas de serviço, igrejas gratuitas”, e se perguntou como purificar o templo de Deus. Ele mesmo respondeu que é com a vigilância, o serviço e a gratuidade. “O mais importante templo de Deus é o nosso coração”, porque “dentro de nós habita o Espírito Santo”. Mas “o que acontece em meu coração?”.

“Aprendi a vigiar dentro de mim para que meu coração seja apenas para o Espírito Santo? Purificar o templo, o templo interior, e vigiar. Fique atento, fique atenta: o que acontece em seu coração?”.

“Quem vem, quem vai... Quais são os seus sentimentos, as suas ideias? Você fala com o Espírito Santo? Escuta o Espírito Santo? Vigiar; estar atentos para o que acontece em nosso templo, dentro de nós”.

O Papa recordou que Jesus “está presente nos doentes, no sofrimento, na fome, no encarcerado”. “E eu me pergunto: sei custodiar aquele templo? Cuido do templo com o meu serviço? Aproximo-me para ajudar, para vestir, para consolar aqueles que precisam?”.

“São João Crisóstomo repreende aqueles que faziam tantas ofertas para decorar, para embelezar o templo, e não cuidavam daqueles que necessitavam. Repreendia-os e dizia: ‘Não, assim não. Primeiro o serviço, depois as decorações’”.

“E quando nós nos preparamos para prestar um serviço, para ajudar, nos assemelhamos a Jesus que está ali dentro”.

Quarta, 22 Novembro 2017 15:48

Um sopro de Deus

“A existência não pode ser forçada a ir de acordo com você; ela flui de seu próprio modo” (Chandra Mohan – Osho).

Estou aprendendo, a duras penas, que a vida não flui como eu gostaria... Estou passando também pela experiência dolorosa da morte do ego, não no sentido de deixar de existir enquanto “gestor da consciência”, mas no sentido que ele possa ocupar somente o lugar dele... A experiência do vazio, da perda de tudo, do não-controle vai acontecendo lentamente...

Não sei onde tudo isso vai dar, mas confesso que não existe outro caminho... O ego precisa morrer para surgir a consciência mais ampliada, a visão mais abrangente e a fé verdadeira... Tenho muitas perguntas e poucas respostas: o que sei é que o caminho está aberto diante de mim e que preciso fazer escolhas, fundamentadas na consciência do meu ser... Parece haver uma LUZ por aí...

Abraços terapêuticos,

Frei Paulo Sérgio, ofm

Segunda, 13 Novembro 2017 15:40

Voe Alto

“Tomara que a gente não desista de ser quem é por nada nem ninguém deste mundo” (Ana Jácomo).
 
Não deixe que as pessoas o (a) faça desistir daquilo que você mais quer na vida. Acredite. Lute. Conquiste. Batalhe! A força necessária esta dentro de você. Procure a luz necessária que está em sua alma. Traga a LUZ de DEUS pra dentro de você e ilumine também outras vidas, pois a luz compartilhada tem o poder de expandir...
 
Não importa o tempo que seus sonhos e projetos demorem a acontecer. Acredite em você mesmo e você vai voar alto... E só importa o quão verdadeiro você é. Confie em DEUS e em você mesmo e você vai voar alto... E siga o seu coração e voe alto, o quanto mais alto você puder...
 
Tenha uma ótima semana!
Frei Paulo Sérgio, ofm
Quinta, 09 Novembro 2017 16:39

Compartilhar

“Compartilhar é uma das maiores qualidades espirituais. O milagre é que quanto mais você compartilha sua felicidade, mais você tem” (Osho).

O sucesso pessoal também vai depender com quem você anda, conversa e compartilha seus momentos. O verbo com-partilhar é composto da preposição com mais o verbo partilhar... Então podemos entender que com-partilhar é fazer a experiência de abertura do coração com as pessoas, não reter as coisas e/ou sentimentos, ser capaz de con-fiar, de acreditar numa ação divina que atravessa nossa dor e nossas limitações...

Partilhar com as pessoas, com os amigos, com o terapeuta, com algum líder espiritual ajuda muito na compreensão das coisas e dos dramas vividos. Se você superar a necessidade de querer controlar, segurar ou reter com certeza vai crescer em confiança, na certeza de que a travessia da vida se faz com conquista, com amizades e com muita fé. Se Jesus é meu amigo farei a experiência de Sua presença constante em minha vida...

Abraços terapêuticos,

Frei Paulo Sérgio, ofm

Segunda, 06 Novembro 2017 15:46

Escolhas

“A vida é feita de escolhas. Quando você dá um passo à frente, inevitavelmente alguma coisa fica para trás” (Caio Fernando Abreu).

Certa vez fiz uma escolha desacertada que doeu inteiro. Perdi muitas coisas, mas ganhei resistência. Certo dia fiz uma escolha correta que me floriu de novo, mas ser muito florido também me custou algumas pétalas. E, assim, fui aprendendo e continuo a aprender: cada escolha, traz em si, suas dores e alegrias... O importante mesmo é celebrar as escolhas feitas e vivenciá-las sem tanta preocupação com o futuro...

Sei que ainda vou sofrer muito, passar por vales e desertos... Aí está o ad-vento da vida! Mas sei também que, em cada caminho, em cada encontro ou desencontro continuarei a me levar, sabendo que a essência da vida (dentro de mim) não se contenta com aquilo que é finito... Ela quer o que não acaba, o que não tem fim!

Tenha uma ótima e abençoada semana!

Frei Paulo Sérgio, ofm

Vaticano, 06 Nov. 17 / 08:48 am.- Durante a homilia da Missa celebrada hoje na Casa de Santa Marta, o Papa Francisco afirmou que o caminho da vocação cristã não é fácil e que, diante das quedas previsíveis, dos pecados, das desobediências, é preciso deixar-se levar pela misericórdia de Deus, deixar-se “misericordiar”.

O Santo Padre explicou que, “na história da Salvação, três foram os dons e os chamados de Deus ao seu povo. Todos irrevogáveis, porque Deus é fiel: o dom da eleição, da promessa e da Aliança”.

“Cada um de nós é um eleito, uma eleita de Deus. Cada um de nós carrega uma promessa que o Senhor fez: ‘Caminha na minha presença, seja irrepreensível e eu lhe farei isso’. E cada um de nós faz alianças com o Senhor. Pode fazê-las, não quer fazê-las – é livre”.

O caminho marcado por esta Aliança não é fácil, advertiu Francisco. “Neste caminho de escolha rumo à promessa e à Aliança haverá pecados, desobediências, mas diante desta desobediência há sempre a misericórdia”.

“É como a dinâmica do nosso caminhar rumo à maturidade, indicou: sempre há a misericórdia, porque Ele é fiel, Ele não revoga os seus dons. Porque diante das nossas fraquezas, dos nossos pecados, há sempre a misericórdia de Deus”.

O Pontífice nos encorajou a pensar “na nossa escolha. Penso que pode nos fazer bem, a todos nós, pensar hoje na nossa eleição, nas promessas que o Senhor nos fez e como eu vivo a aliança com o Senhor. E como me deixo – permitam-me a palavra – ‘misericordiar’ pelo Senhor, diante dos meus pecados, das minhas desobediências. E, no final, se eu sou capaz de louvar Deus por aquilo que me deu, a cada um de nós. Mas jamais se esquecer: os dons e a chamada de Deus são irrevogáveis”, insistiu.

Finalmente, incentivou a fazer uma série de perguntas: “Como sinto eu a eleição? Ou me sinto cristão por acaso? Como eu vivo a promessa, uma promessa de salvação no meu caminho, e como sou fiel à aliança? Como Ele é fiel?”.

Neste dia 1° de novembro, a Igreja Católica se enche de alegria ao celebrar a Solenidade de Todos os Santos, os que foram e os que não foram canonizados, mas que, com sua vida, são exemplo de que a santidade é possível.

Diz o Catecismo da Igreja Católica: “Todos os fiéis cristãos, de qualquer estado ou ordem, são chamados à plenitude da vida cristã e à perfeição da caridade. Todos são chamados à santidade: ‘Deveis ser perfeitos como o vosso Pai celeste é perfeito’ (Mt 5,48)”.

Cada cristão carrega dentro de si o dom da santidade dado por Deus, como diz a Carta de São Paulo aos Efésios: “Deus nos escolheu em Cristo, antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis, diante de seus olhos” (Ef 1,4).

O culto aos santos por parte dos cristãos remonta aos primeiros séculos, começando pelos mártires. Ao viver essa tradição, a Igreja convida cada um a contemplar essas pessoas, exemplos de fé, esperança e caridade, e lançar o olhar ao Alto.

“Hoje estamos imersos com o nosso espírito entre esta grande multidão de santos, de salvos, os quais, a partir do ‘justo Abel’, até a quem neste momento talvez esteja a morrer em qualquer parte do mundo, nos fazem coroa, nos dão coragem, e cantam todos juntos um poderoso coro de glória Aquele a quem os Salmistas chamam justamente ‘o Deus meu Salvador’ e ‘o Deus que é a minha alegria e o meu júbilo’”, afirmou São João Paulo II em uma data como esta de 1980.

A Solenidade de Todos os Santos foi instaurada como consequência da Grande Perseguição do Imperador Diocleciano, no princípio do século IV, pela grande quantidade de mártires causados pelo poder romano.

O Papa Gregório III a fixou para 1º de novembro no século VIII, como resposta à celebração pagã do “Samhain” ou ano novo celta, que celebrada na noite de 31 de outubro. Mais adiante Gregório IV estenderia esta festividade a toda a Igreja.

A Solenidade de Todos os Santos antecede o Dia de Finados, 2 de novembro, data que recorda aqueles que já estão salvos, mas que ainda precisam ser purificados.

Ao celebrar esta data em 2014, o Papa Francisco indicou como devem ser vividos esses dois dias: com esperança, seguindo os exemplos dos santos.

“Esta é a esperança que não cria desilusão. Hoje e amanhã são dias de esperança. A esperança é como o fermento que faz ampliar a alma. Mas também existem momentos difíceis na vida, mas com a esperança, a alma vai adiante. Olha o que te espera”, disse.

Terça, 31 Outubro 2017 15:43

Escala de Missas - Novembro 2017

Prezados!!!!

Segue a Escala de Missas no Mês de Novembro!!!

Segunda, 30 Outubro 2017 15:13

Vivendo e Aprendendo

“Aprendi que, se alguém diz alguma coisa maldosa a meu respeito, devo viver de forma a que ninguém acredite nisso” (Jackson Brown Jr).

Nunca vamos agradar a todos e sempre haverá pessoas que não serão simpáticas a nós. Isso é até positivo, pois poderemos ver nossa sombra projetada em tais relacionamentos. Na sombra estão os conteúdos rejeitados por nós, mas que nos pertencem. A antipatia de algumas pessoas pode nos fazer ver aquilo que não víamos e, daí, teremos a chance de crescer e evoluir emocionalmente.

Aprendi que o tempo não cura uma ferida, mas de alguma forma, de um jeito misericordioso diminui o tamanho dela. Daí a importância de cultivar a com-paixão, a capacidade de sofrer os sofrimentos das pessoas e de alegrar com suas conquistas. Aprendi a viver (e até con-viver) com a falta, com a perda, com a ausência… Certas coisas, não vale a pena ter de volta...

Abraços terapêuticos, 

Frei Paulo Sérgio, ofm