Raphael

Raphael

Quarta, 07 Junho 2017 15:15

Caminho Certo

“Em vão trabalham todos os homens quando não é DEUS o fundamento de sua obra” (Santo Antônio).

 

Os pés nos ligam ao chão, ao caminho, à realidade da vida. A cabeça é nossa conexão com o céu, com a transcendência. As mãos simbolizam nossas ações, nossos fazer, nossas relações interpessoais, etc. Então, faz-se necessário um equilíbrio entre nosso ser e o nosso fazer. Equilíbrio entre sentimento e ação. Se estamos conectados com Deus, com certeza vamos encontrar esse equilíbrio e o amor será o óleo a ungir nossa missão!

 

Toda construção inicia-se pelo alicerce, assim também a construção o humano: começa pelos pés, lugar que simboliza nossa comunhão com a terra, com nossa essência humana. É preciso então curar o humano, replantá-lo no seu chão primordial. Depois, criar abertura para a transcendência, dar espaço para a luz divina. Somente assim as mãos serão capazes de trabalhar nessa dimensão grandiosa de edificar um mundo melhor, mais bonito e fraterno. Se o Senhor está a nos abençoar, só poderemos trabalhar em favor do bem e de tudo aquilo que edifica a sociedade humana...

 

Abraços terapêuticos,

Frei Paulo Sérgio, ofm

Segunda, 05 Junho 2017 09:15

Consciência

“A tomada de consciência permite encarar a realidade para mudá-la” (Anthony de Mello).
 
Consciência é o que todo ser humano deveria ter de melhor, pois é a partir daí que seu caráter inspirará a formação de outras virtudes. Ter consciência da própria vida e da missão nos inspira e também nos impele a viver a sacralidade de nossa humanidade. Isso parece contraditório, mas não! O humano traz, em si mesmo, a sacralidade da vida e a sacralidade divina que pulsa em cada respiro de vida!
 
Muitas vezes cuidamos somente de encher nossa memória e abarrotar nosso cérebro de informações. É preciso filtrar tantas informações recebidas e processá-las em nossa mente, transformando-as em conhecimento e, depois, em sabedoria. A nossa consciência deverá sempre dar a última palavra diante dos fatos, para não sermos reféns dos instintos e dos moralismos estruturados em nós. Se a nossa consciência estiver enfraquecida, precisamos buscar a sabedoria de Deus através da oração e da meditação.
 
Abraços terapêuticos,
Frei Paulo Sérgio, ofm
Quarta, 31 Maio 2017 15:21

VEM ESPÍRITO SANTO

“O Espírito Santo faz-nos habitar em Deus e Deus em nós; mas é o amor que causa tudo isto. Portanto, o Espírito é Deus enquanto amor” (Santo Agostinho).

É o Espírito Santo que suscita o apostolado, outra missão, instituição exterior e ministerial, relacionada com a eleição dos Apóstolos e com Pentecostes: missão destinada a ser o canal distribuidor, no tempo e no mundo, da fé e da graça, e a desempenhar o papel de instrumento na edificação da Igreja.

Com isso, o Espirito Santo é do DOM de amor do Pai e do Filho em favor daqueles (as) que buscam o caminho do céu, a transcendência. Desejar o Espírito do Senhor e o seu santo modo de operar é um ensinamento de São Francisco. Desejemos, pois, o Espírito Santo e sua ação transformadora em nós...

Abraços terapêuticos,

Frei Paulo Sérgio, ofm

Quarta, 31 Maio 2017 14:13

ESCALA DE MISSAS - JUNHO 2017

ESTIMADOS,

 

SEGUE A ESCALA DE MISSAS DO MÊS DE JUNHO.

Para São Francisco, a Ordem só tinha um Ministro Geral, que é o Espírito Santo, e deveria ser guiada pelo sopro do Espírito do Senhor. «Desejava que se recebessem na Ordem pobres e ignorantes, e não apenas ricos e sábios. ‘Deus -dizia ele- não tem em conta essas diferenças; o Espírito Santo, que é o Ministro Geral da Ordem, repousa tanto sobre os pobres e simples como sobre os outros’. Pretendia até que esta frase fosse incluída no texto da Regra – mas a bula da aprovação já tinha sido publicada (a 29 de novembro de 1223); era portanto tarde demais» (lC 123).

Neste Especial dedicado a Pentecostes, nossa intenção é fazer uma reflexão dentro da mística franciscana, oferecendo alguns textos de grandes mestres da espiritualidade.

O capuchinho Leon Robinot lembra que Francisco caminha para o Pai pelo Filho no Espírito: é a ‘auto-estrada’ que conduz à união com Deus, e que ele aprendeu pela prática da liturgia. “A sua experiência do seguimento de Jesus, aprendida durante uma vintena de anos, desabrocha na grande doxologia da Primeira Regra, capítulo 23. E essa ‘auto-estrada’ dum filho de Deus percorreu-a sob a conduta do Espírito. Tal é a profunda convicção que pretende transmitir aos irmãos ao dizer-lhes que «devem sobretudo desejar ter o Espírito do Senhor e deixar que esse Espírito atue neles» (2R 10,8).”

Frei Sinivaldo Tavares, teólogo, escreve sobre “A ousadia de se deixar conduzir pelo Espírito do Senhor”. E decreta: “Somos convocados a fazer memória do nosso passado, deixando Cristo irromper em nossa vida através do Seu Espírito Vivificante”.

O homem, quando se centra no sofrimento seu e do mundo, nas angústias e traumas de tantas pessoas, nas injustiças de uns e desvalia de outros, nos desvarios, descaminhos, hipocrisias e toda sorte de males, corre o risco de se afundar num desespero sem saída ou de  calejar-se desumanizando-se naquilo que lhe é mais próprio: a dimensão pentecostal do permanente milagre da vida.  Frei Neylor Toninfaz uma reflexão sobre a festa de Pentecostes a partir de dois pontos de vista e afirma que “o homem  pentecostal conhece a alegria do louvor, a força incontida do testemunho, a jovialidade da acolhida e a festa da comunhão”. Nele Cristo já venceu o demônio da tríplice tentação.

O jesuíta Albert Chapelle, num texto da revista “Grande Sinal”, escreve:  “O dom do Espírito nos antecede como uma graça, ele nos precede na história. Vida espiritual não se improvisa, não tem sua origem em si mesma, não pode haurir água viva em sua própria fonte. É recebida do Alto; brota como toda vida das gerações e dos partos da história”.

Outro texto escolhido é de Frei Celso Teixeira, da série “Cadernos Franciscanos”: “O Espírito do Senhor: Ensaio de uma leitura antropológica”. Como anuncia o subtítulo, o artigo é uma tentativa de esclarecimento sobre o modo de agir do Espírito do Senhor na pessoa humana. Sem identificar a expressão “Espírito do Senhor” com a terceira pessoa divina, o autor centraliza-se em descrever o modo de atuação deste espírito, tornando a pessoa “santa” e “espiritual”, à semelhança do próprio Deus, e, em habitando nossos corações, este espírito torna-se presença habitual. O autor também distingue com muita clareza as obras do “espírito da carne” (e “espírito do mundo”) e as obras do espírito do Senhor, fonte e origem de todo o bem.

Trazemos ainda textos do Dicionário Franciscano sobre o Espírito Santo e Pentecostes no Catecismo da Igreja Católica.

Completamos este Especial com as Preces ao Divino Espírito Santo e uma celebração franciscana.

Segunda, 29 Maio 2017 08:46

Não estamos sós!

“Eis que estou convosco todos os dias, até o fim dos tempos” (Mt 28,20).

Mesmo tendo subido aos céus, Jesus promete: “estarei convosco todos os dias, até o fim do mundo”. Diante da difícil situação em que se encontra o mundo, a sociedade e o nosso país somos tentados a perguntar: onde está Deus? Porque Ele permite que tantas coisas ruins aconteçam? Sentimos como que abandonados à nossa própria sorte..

No entanto, as palavras de Jesus ao final do Evangelho de São Mateus garantem-nos a Sua presença; não uma presença esporádica, mas uma união contínua, “todos os dias”. Por isso, no abismo mais profundo de nossa crise e sofrimento, tenhamos esta certeza: não estamos sozinhos, Jesus está conosco. Ele ilumina nossa consciência e nosso espirito para que possamos encontrar caminhos e soluções...

Tenha uma ótima e abençoada semana!

Frei Paulo Sérgio, ofm

Sexta, 26 Maio 2017 10:11

Um dia de cada vez.

“A tristeza é uma telha quebrada na casa da nossa vida, mas a esperança é um cobertor que nos protege” (Pe. Fábio de Melo).

A alegria e a tristeza são dois polos que se complementam em nós. Da mesma forma que a noite complementa o dia, precisamos navegar por muitas formas de experimentar a vida em sua grandeza e nuances! A vida não é retilínea, mas um caminho de curvas, subidas e descidas... Quem se permite aprender a lidar com todas as experiências é capaz de crescer e experimentar a sabedoria de viver!

Aprenda a acolher cada dia em seu mistério. Cada momento, cada encontro, cada experiência nos faz mais fortes e mais conscientes de nossa missão. Se você passar pelo vale, poderá contemplar a montanha à frente... Se você passar pelo frio do inverno, poderá contemplar a beleza da primavera. Para cada dia basta o seu cuidado, nos ensina Jesus! Para cada tempo o seu aprendizado...

Abraços terapêuticos,

Frei Paulo Sérgio, ofm

Quarta, 24 Maio 2017 16:51

Vem Espírito Santo