Raphael

Raphael

Quinta, 14 Dezembro 2017 11:50

Sejamos Vigilantes

“Todo cristão há de manter-se vigilante, para que a vinda do Senhor não o surpreenda mal preparado” (Santo Agostinho).

Por meio de sua Palavra, Deus vem ao nosso encontro, nos põe em seus caminhos e nos enriquece com seus dons. Aprendamos dele como estar preparados para sua vinda, favorecendo os caminhos do coração... E este precisa estar desejoso, sedento desta visita, na abertura à Criança Divina...

Quando seguimos a nossa intuição e ouvimos a voz do nosso coração, conseguimos fazer tudo com mais prazer e consequentemente, mais felicidade angariamos em nossa vinda. Prepare bem o seu coração, que ele seja um presépio onde a Criança Divina possa entrar e fazer morada... Boa caminhada, boa preparação e um feliz Ad-vento!

Abraços terapêuticos,

Frei Paulo Sérgio, ofm

Novo ano litúrgico

No próximo dia 27 de novembro, a Igreja inicia o novo Ano Litúrgico com a celebração do 1º Domingo do Advento. Diferentemente do ano civil, com o Tempo do Advento, a Liturgia da Igreja inicia um novo ciclo para as leituras bíblicas dominicais, do ano B, no conjunto, marcadas pelo evangelista Marcos.

Se o ano A, em certo sentido, o ano eclesiológico (pela presença da teologia mateana da Igreja como verdadeiro Israel), podemos dizer que o ano B é, principalmente, cristológico, pois é caracterizado pela meditação de Marcos sobre o caráter messiânico de Jesus e do Reino que ele inaugura, ainda que de modo inesperado e não manifesto. Marcos é também chamado o evangelho querigmático, porque nele transparece claramente a estrutura do querigma ou anúncio da atuação, morte e ressurreição do Cristo, como era proclamado no início da pregação cristã.

Tempo de Advento no Ano B

O Advento do ano B parece caracterizado sobretudo pela idéia do encontro com Deus, a realização da promessa de sua irrestrita presença junto a nós. O primeiro domingo sugere uma atitude de preparação geral para o encontro com o Senhor, no fim dos tempos, no “último dia”. Isso, porém, nada tem de trágico. Pelo contrário, a liturgia transborda de confiante esperança: “Se rasgasses os céus!” A vinda do Juiz e Senhor da História não é, para os cristãos, a destruição da História, mas seu arremate. Os cristãos estão vigiando para, por sua dedicação aqui e agora, participarem do Reino transcendente.
O segundo passo do encontro é a conversão, ou seja, a transformação da vida, com vistas ao grande encontro final. A liturgia evoca aqui a pregação escatológica do Batista e as imagens isaianas da terraplanagem do caminho para o Deus libertador. No 3º domingo já ressoa a alegria por causa da presença de Deus, testemunhada pelo Batista e pelo arauto de Is 61, que anuncia a boa-nova aos pobres. No 4º domingo – o domingo de Maria – são confrontados o “sim” de Deus (promessa) e o “sim” da pessoa humana (Maria, “fiat”). Realiza-se a promessa do Messias da linhagem de Davi, graças à disponibilidade da Serva.

 

, 12 Dez. 17 /.- “Não se perturbe teu rosto, teu coração... Não estou eu aqui, tua Mãe?”, disse a Virgem de Guadalupe ao aflito Juan Diego em 12 de dezembro de 1531. Ela, a Padroeira da América e do México, quis deixar sua imagem desde esse dia em uma singela “tilma” como sinal do amor de Deus para com os crentes e não crentes.

Somente dez anos depois da conquista do México, os missionários tinham pouco êxito na evangelização e conversão dos novos povos, em grande parte pelo mau exemplo dos que, chamando-se cristãos, abusavam dos nativos.

Em 9 de dezembro de 1531, a Virgem apareceu a um humilde índio convertido ao cristianismo, chamado Juan Diego, em um lugar denominado Tepeyac. Maria se apresentou como “a perfeita sempre Virgem Santa Maria, Mãe do verdadeiro Deus”.

A Rainha do Céu lhe encomendou que, em seu nome, pedisse ao Bispo, o franciscano Juan de Zumárraga, a construção de uma Igreja no lugar da aparição.

O Bispo não aceitou a ideia e a Virgem pediu a Juan Diego que insistisse. No dia seguinte, ele voltou a encontrar o Prelado, que o examinou na doutrina cristã e lhe pediu provas objetivas do prodígio.

Na terça-feira, 12 de dezembro, a Virgem apareceu e consolou Juan Diego, dizendo: “Não tema…”,  porque seu tio já estava curado. Logo, convidou-o a subir ao topo da colina de Tepeyac para colher algumas flores e trazê-las para Ela.

Apesar da estação de inverno e da aridez do lugar, São Juan Diego encontrou flores muito belas e colocou-as em sua “tilma”. A Virgem, então, mandou que ele as apresentasse ao Bispo.

Estando na frente do Prelado, o santo abriu sua “tilma” e deixou cair as flores. Na manta apareceu a imagem da Virgem de Guadalupe. O Bispo e os demais presentes caíram de joelhos com grande assombro. Em seguida, o Bispo pediu perdão.

No dia seguinte, foram ao monte Tepeyac, onde imediatamente as pessoas se ofereceram para elevar o templo. Juan Diego pediu permissão e foi pressurosamente ver seu tio Juan Bernardino, que tinha estado com a saúde muito debilitada. Ao chegar, viu que seu parente estava recuperado.

Ali, Juan Diego lhe contou o acontecido e o tio respondeu dizendo que a Virgem também lhe tinha aparecido e que havia pedido que contasse ao Bispo sobre sua cura.

Com o manto, a Virgem trouxe reconciliação entre nativos e espanhóis porque, com os símbolos que ali apareciam, as duas culturas podiam entender perfeitamente a mensagem do Céu. Do mesmo modo, ajudou-lhes a compreender que a fé cristã não é propriedade de ninguém, a não ser um dom de amor para todos.

Nos 7 anos depois das aparições, houve uma conversão de 8 milhões de nativos – o que representa uma média de 3 mil homens por dia e que faz recordar a pregação de São Pedro no dia do Pentecostes, no qual também se converteram 3 mil homens.

A cada ano, aproximam-se da venerada imagem cerca de 20 milhões de fiéis e, no dia de sua festa, calcula-se que quase três milhões vão ao santuário.

“Quero muito, ardo de desejo de que aqui tenham a bondade de construir-me um pequeno templo, para ali O revelar a vocês, engrandecendo-O e entregar vocês a Ele, a Ele que é todo o meu amor, a Ele que é meu olhar compassivo, Àquele que é meu auxílio, Àquele que é minha salvação”, disse a Virgem do Guadalupe a São Juan Diego.

“Porque em verdade, tenho a honra de ser a mãe misericordiosa de todos vocês; tua e de todos os povos aqui nesta terra unidos e dos demais diferentes homens, que me amam, os que a mim clamam, os que me buscam, os que me honram confiando em minha intercessão. Porque ali estarei sempre disposta a escutar seu pranto, sua tristeza, para purificar, para curar todas as suas variadas misérias, suas penas, suas dores”, acrescentou a Mãe das Américas.

Segunda, 11 Dezembro 2017 11:11

Ele está pra chegar

“O homem está para vir. O homem é o futuro do homem” (Francis Jean Ponge).

O homem (humano) é sempre uma dinâmica e um processo de vir-a-ser... Ele é potência, está em processo de feitura, uma estrada aberta que aponta para o futuro... E este futuro se constrói no aqui e agora da vida, na sua capacidade de criação, na criatividade de se fazer e re-fazer: o humano está sempre nascendo, em formação (ação de se formar, de dar forma), em abertura para acontecer e ser ao mesmo tempo!

No caminhar do Ad-vento nos colocamos numa vereda de renascimento... Juntos vamos visitar uma criança humana e divina... E essa criança é cada um de nós, a criança divina que está em nós como projeto divino... Se você se dis-por ao caminho, perceberá que ele é para dentro, que ele se faz na capacidade de abandonar coisas velhas para abraçar o novo que chegar... Ad-vento é caminho de Belém (Belém = Casa do Pão)... Caminho do grande encontro do humano com o Divino...

Tenha uma abençoada semana!

Frei Paulo Sérgio, ofm

 Neste dia 8 de dezembro, a Igreja celebra a Imaculada Conceição da Santíssima Virgem Maria, o dogma de fé segundo o qual a Mãe do Jesus foi preservada do pecado desde o momento de sua concepção, ou seja, desde o instante em que começou sua vida humana.

Em 8 de dezembro de 1854, o Papa Pio IX, depois de receber inúmeros pedidos de bispos e fiéis de todo o mundo, ante mais de 200 cardeais, bispos, embaixadores e milhares de fiéis católicos, declarou com sua bula “Ineffabilis Deus”:

“A doutrina que sustenta que a beatíssima Virgem Maria, no primeiro instante de sua conceição, por singular graça e privilégio do Deus onipotente, em vista dos méritos de Jesus Cristo, Salvador do gênero humano, foi preservada imune de toda mancha da culpa original, é revelada por Deus e por isso deve ser crida firme e constantemente por todos os fiéis”.

Em Roma, enviou-se uma grande quantidade de pombas mensageiras em todas as direções levando a grande notícia. E nos 400 mil templos católicos do mundo celebraram-se grandes festas em honra da Imaculada Conceição da Virgem Maria.

Antes mesmo da publicação desta bula, em 1830, a Virgem Maria havia aparecido a Santa Catarina Labouré, na França, pedindo que se cunhasse uma medalha com a oração: “Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós”.

Anos depois da “Ineffabilis Deus”, em 1858, em uma de suas aparições em Lourdes, na França, Nossa Senhora se apresentou diante da humilde Santa Bernardette Soubirous com estas palavras: “Eu sou a Imaculada Conceição”.

Atualmente são milhares as Igrejas dedicadas a este título de Nossa Senhora em todo mundo e milhões de fiéis têm uma particular devoção a Ela.

Segunda, 04 Dezembro 2017 09:41

Advento

“Que tu virias/ numa manhã de domingo/ eu te anuncio nos sinos das catedrais...” (Alceu Valença).

Eis que o advento se descortina diante de nós... Tempo especial de percorrer caminhos, tempo de saída, tempo de sermos guiados pela estrela de Belém. Tempo de acreditar outra vez na capacidade de evolução da humanidade. Tempo de deixar coisas para trás, de permitir morrer o que já não traz vida dentro de nós... Tempo de reflorescimento, de abertura para o novo!

Se você se dis-por a seguir adiante como os Magos se dispuseram, será capaz de sair de si mesmo para se encontrar com Aquele que te espera em Belém. E, nesse caminhar, poderá fazer encontros transformadores com aqueles (as) que também estarão no caminho... Então alargue o espaço da sua tenda e permita que pessoas estejam sob a sua proteção, cuidado e afeição. Deus costuma fazer morada nas tendas onde a chama do amor está ardendo, aquecendo e iluminando!

Feliz Tempo do Advento e uma excelente semana!

Frei Paulo Sérgio, ofm

Sexta, 01 Dezembro 2017 11:11

Sentimentos

“O amor não se define; sente-se” (Sêneca).

SENTIMENTO é uma maneira profunda de percepção. Ele faz parte do lado direito do cérebro, ligado à intuição, à percepção, à emoção... O amor não se confunde ao sentimento, mas ele pode ser expressado pelo sentimento como uma ação transformadora, que sai de si mesmo para ir ao encontro das pessoas... o AMOR Cristão expressa-se por ações, por um FAZER que nem sempre pode ser medido...

AMOR não sobrevive de teorias, conceitos ou definições. O AMOR é um dom de Deus em nós, uma força transformadora, uma ação que primeiramente, age pra dentro, curando nossas carências e feridas... Depois, ele se manifesta em AÇÕES transformadoras para fora, em favor das pessoas... É a ação do CRISTO em nós e através de nós!

Abraços terapêuticos e um excelente fim de semana!

Frei Paulo Sérgio, ofm

Quarta, 29 Novembro 2017 16:51

Abraço

"Eu te abraço para abraçar o que me falta” (Rubem Alves).

Estamos todos a caminho, buscando a completude e também a plenitude... Em cada abraço sincero encontramos um pouco dessa plenitude, pois no (a) outro (a) encontro aquilo que me falta e, ao mesmo tempo ofereço um pouco de mim... No abraço está algo grandioso, pois é nele que encontramos segurança, apoio, solidariedade e amor...

Na nossa jornada humana precisamos aprender a compartilhar muitas coisas, mas, acima de tudo, compartilhar o tempo e a beleza de cada encontro. Quem proporciona encontros aprendeu a sair de si para estar na dinâmica do outro! E, num abraço, constela-se todo desejo de estar, simplesmente, na acolhida de SER o que somos, sem máscaras ou explicações, sem necessidade de justificativas...

Abraços terapêuticos,

Frei Paulo Sérgio, ofm

Quarta, 29 Novembro 2017 15:14

Escala de Missa do Mês de Dezembro

Segue a Escala de Missa do Mês de Dezembro.

Desejamos a todos um feliz e Santo Natal e um Ano Novo cheio de grandes realizações!!!

Segunda, 27 Novembro 2017 16:05

Metamorfose

“A vida é maravilhosa se não se tem medo dela” (Charles Chaplin).

Precisamos estar dispostos a nos livrar da vida que planejamos, para podermos viver a vida que nos espera. A pele velha tem que cair para que uma nova possa nascer... Isso se chama metamorfose, a capacidade de nos livrar daquilo que não serve mais, para nos revestir do novo, daquilo que vem com toda luz, alegria e felicidade...

ego precisa ser superado, para eclodir a Grande Consciência, a visão mais ampla, a abertura às coisas que não passam... Ir além do ego é a única saída para sairmos do desespero de querer controlar tudo... A vida não nos é dada para ser controlada, mas para ser vivida: em toda sua beleza, em todo seu poder e infinitude...

Tenha uma ótima e abençoada semana!

Frei Paulo Sérgio, ofm