Raphael

Raphael

Sexta, 02 Fevereiro 2018 08:34

Esperança

“A tristeza é uma telha quebrada na casa da nossa vida, mas a esperança é um cobertor que nos protege” (Pe. Fábio de Melo).

 

A tristeza, como a alegria, são momentos de nossas vidas. Uma coisa está conectada à outra! Somos alegres e tristes de acordo com os momentos, com os sentimentos, com as dores experimentadas... Lembre-se: alegria partilhada é alegria dobrada; tristeza partilhada é tristeza dividida pela metade.

 

O ser humano é manifestação de muitas coisas... E, algumas delas, acontecem ao mesmo tempo! Somos alegres e tristes, somos abertura e fechamento, somos medo e audácia! Assim é o ser humano: complexo em si mesmo, abertura para o novo, capacidade de amar, de crescer e evoluir... Em muitos momentos podemos ser alegres, tristes e poetas!

 

Tenha um lindo dia e uma abençoada semana!

Frei Paulo Sérgio, ofm

Terça, 30 Janeiro 2018 15:21

ESCALA DE MISSAS - FEVEREIRO 2018

PREZADOS

 

SEGUE ESCALA DE MISSAS DE FEVEREIRO!

PAZ E BEM!!

Sexta, 19 Janeiro 2018 09:52

Sabedoria para Discernir

"O sábio envergonha-se dos seus defeitos, mas não se envergonha de corrigi-los” (Confúcio).

Bem aventurado é aquele cujo discernimento o levou à sabedoria e, no exercício da sabedoria, foi conduzido à luz da fé em toda sua plenitude. Bem aventurada é toda pessoa que se dispõe a semear alegria e a compartilhar solidariedade e amor. Acredito que a sabedoria é algo que se busca, mas que também se planta no cotidiano da vida...

A sabedoria da pessoa prudente é entender o seu próprio caminho, dar sentido à sua missão. Não estamos neste estágio da vida apenas para existir, mas para VIVER e dar sentido à uma missão grandiosa confiada a cada um de nós. Faça bem e com amor aquilo que está diante de você. Cumpra sua missão e seja feliz por buscar o sentido mais profundo das coisas e da vida...

Abraços terapêuticos e um ótimo fim de semana!

Frei Paulo Sérgio, ofm

Terça, 16 Janeiro 2018 09:04

Sabedoria

“A inteligência faz com que você resolva os problemas.  A sabedoria faz com que você previna os problemas” (Ary Souza).

Antes de erguer as paredes de uma grande construção, faz-se necessário, fundar os alicerces e erguer as colunas... Só depois as paredes virão para fazer as repartições dos espaços... Então, não ergas um edifício sem fortes alicerces, pois, se o fizeres viverás com medo. Isso significa agir e trabalhar com inteligência! 

A inteligência nos ajudar a pensar, a refletir, a encontrar as melhores saídas e soluções... A sabedoria é a capacidade de sentir o sabor das coisas e da vida. Saber e sabor estão na mesmo origem, na eclosão da mesma palavra... Daí o saber que gera a sabedoria é, ao mesmo tempo, sabor: gosto, ser capaz de separar um sabor de outro... A sabedoria deve nos levar a saborear a vida com toda beleza e sentir o gosto que trás ao nosso próprio viver...

Tenha uma ótima e abençoada semana... Que seja saborosa também!

Frei Paulo Sérgio, ofm

 “Fica Senhor comigo, pois preciso da tua presença para não te esquecer”, é parte de uma oração escrita por São Pio de Pietrelcina e que foi recomendada em um artigo publicado no site da Diocese de Celaya (México) para as pessoas que sofrem de depressão ou enfrenam uma tristeza profunda.

No artigo de 10 de janeiro, assinala que “o Manual diagnóstico e estatístico dos transtornos mentais (DSM) inclui definições clínicas para a depressão”, mas também se pode recorrer “à explicação sobre a escuridão espiritual que São João da Cruz escreve em ‘A noite escura da alma’”.

“Seja qual for a forma em que tenha chegado a um estado depressivo, seja qual for a história que te levou até aí, a chave nesses momentos escuros é estender a mão, buscar o contato” com Deus, afirmou.

O autor indicou que “o estado de escuridão e depressão não é um vazio”, mas “um espaço cheio de conhecimento diante do qual estamos momentaneamente cegos”. “Quando tentamos alcançá-lo sozinhos, às vezes estamos muito exaustos para continuar a aprofundar e, assim, sucumbimos às ondas de desespero”, assinalou.

“Embora nos tenham ensinado que perder a esperança é voltar as costas para Deus – o que é pecado –, há outro elemento do desespero que às vezes passa batido. Deriva da Regra de São Bento: ‘Que em tudo Deus seja glorificado’”.

O Autor relatou que em uma confissão, “estando eu em uma época de depressão, o sacerdote me deu uma penitência muito concreta. Devia ler sobre Jesus caminhando sobre o mar tempestuoso e sobre o medo de Pedro, em Mateus 14,30-31. Em seguida, teria que refletir, especificamente, sobre o momento em que Pedro se desespera e busca a ajuda de Nosso Senhor, esse segundo exatamente antes de Jesus segurar sua mão”.

 

“Foi um momento escuro, cheio de dúvida para Pedro, cuja fé tinha fraquejado. Também foi uma resposta intuitiva para uma pessoa que se afoga fisicamente: estender a mão”, assinalou.

Explicou que esta é “uma metáfora para estender a mão para Cristo psicologicamente e espiritualmente. Surpreendeu-me a rapidez com que o instinto de sobreviver espiritualmente se uniu ao desejo de viver fisicamente quando se está esgotado e em águas profundos”.

“Por isso, com tranquilidade de saber que o Senhor pegou minha mão e que não me afogarei, frequentemente, leio esta oração, às vezes até mesmo três vezes inteira”:

Fica Senhor comigo, pois preciso da tua presença para não te esquecer.

Sabes quão facilmente posso te abandonar.

Fica Senhor comigo, porque sou fraco e preciso da tua força para não cair.

Fica Senhor comigo, porque és minha vida, e sem ti perco o fervor.

Fica Senhor comigo, porque és minha luz, e sem ti reina a escuridão.

Fica Senhor comigo, para me mostrar tua vontade.

Fica Senhor comigo, para que ouça tua voz e te siga.

Fica Senhor comigo, pois desejo amar-te e permanecer sempre em tua companhia.

Fica Senhor comigo, se queres que te seja fiel.

Fica Senhor comigo, porque, por mais pobre que seja minha alma, quero que se transforme num lugar de consolação para ti, um ninho de amor.

São Pio de Pietrelcina, Oração para depois da Comunhão.

Sábado, 13 Janeiro 2018 14:34

Todo dia é dia, toda hora é hora…

Frei Gustavo Medella

O Senhor vive chamando…  Esta é a constatação que perpassa os textos bíblicos da Liturgia deste 2º Domingo do Tempo Comum. Na leitura do Livro de Samuel (1Sm 3,3b-10.19), o chamado é de viva voz, atinge a audição e vem na madrugada, quando o menino Samuel se encontra no estado entre vigília e sono. Meio entorpecido, por duas vezes atribui o chamamento a Eli. Este, mais experiente na caminhada de fé, orienta Samuel a abrir ainda mais os ouvidos para perceber que quem o chama é o próprio Deus. O texto também nos reforça a convicção de que o Senhor é insistente em seu chamado e nos dá a consciência de que, entorpecidos pelas preocupações do dia a dia, pela falta de fé e também condicionados pelo medo ou pelo egoísmo, nem sempre conseguimos discernir com clareza como e para que somos chamados. O episódio ilustra que, para bem ouvirmos o apelo do Senhor em sua essência, podemos –  e devemos – contar com a ajuda e o discernimento uns dos outros.

A bela oração do Salmo (Sl 39(40)) apresenta a boa disposição de quem aprende na vida a atender o convite de Deus: “Eis que venho fazer, com prazer, a vossa vontade, Senhor”. O prazer, força que mobiliza, e às vezes escraviza o ser humano, quando direcionado à fidelidade ao projeto divino, é fonte de alegria e realização.

No Evangelho (Jo 1,35-42), o apelo de Jesus é ao olhar: “Vinde e vede”. O convite do “Cordeiro”, lançado aos dois discípulos de João, mobilizou-os decisivamente. No entardecer da vida, diferentemente de Samuel (chamado de madrugada, quando ainda menino), estes dois homens que aderem ao projeto de Cristo vêm nos mostrar que, qualquer que seja o horário do dia (no caso deles, às quatro da tarde), ou a fase da vida (eles já eram adultos), o Senhor nos chama a permanecer com Ele e pacientemente espera de nós uma resposta de adesão.

Sábado, 13 Janeiro 2018 13:56

Humanos

"Todo ser é completo por si" (Leonardo Boff).

 

O humano é um ser complexo em sua manifestação. Ele não nasce pronto, mas vai se fazendo, se construindo, se revelando em suas várias expressões. Ele se faz, re-faz e per-faz! Ele é total dis-posição ao aprendizado, ao crescimento, ao desenvolvimento... O humano se extasia diante do novo, do belo, do desafio, dos relacionamentos: ele é abertura, comunicação, vontade de vir-a-ser!

 

Nessa dimensão humana, participamos todos dessa mesma saga! Como toda pessoa queremos o melhor, a alegria, a felicidade. Fomos criados na carência, na falta, na necessidade... Necessitamos das pessoas, de aceitação, de afeto, de amor... Se você também não se acha pleno e onipotente, então seja bem-vindo (a) ao mundo dos humanos... Nesta jornada o objetivo é construir, em nós, a semelhança a Jesus Cristo, o modelo perfeito, a plenitude!

 

Abraços terapêuticos,

Frei Paulo Sérgio, ofm

Quinta, 11 Janeiro 2018 09:33

INSPIRAÇÕES FRANCISCANAS PARA 2018

Revendo o Documento do Capítulo Geral da Ordem dos Frades Menores de 2015, parágrafo 11, encontro ali: “No passado, quando se formava uma tempestade no mar, os marinheiros normalmente jogavam na água o peso supérfluo, como nos atesta também o livro de Jonas (Jn 1,5). Nós também somos convidados a retornar à pobreza e a nos livrarmos do supérfluo. Em nosso tempo, também nós devemos jogar fora as nossas falsas seguranças e vencer a onda do medo e da angústia através da nossa fé em Deus”. No final de ano e início de ano é um bom tempo de fazermos um rito de passagem limpando gavetas e armários, reduzindo cabides e coisas. Há certos acúmulos que não servem mais. O Papa Francisco nos diz que certas tradições não nos servem mais. Ajuntamos coisas das necessidades que não pertencem mais aos nossos desejos. Desapego é sempre um bom jeito de recomeçar. Mas não só de coisas, mas de certas convicções que estão no amontoado do sótão de nossa consciência.

Ainda acumulamos preconceitos contra as culturas, credos, etnias, condição social e nível de formação.  Há ainda amargura nas relações. Intolerância gera um ódio nocivo a saúde do corpo e alma. Há muita raiva e pouco humor. O outro e a outra não são inimigos. Sua opção religiosa ou afetiva não são um perigo. A vida particular de uma pessoa não interessa para ninguém; isto está entre a consciência pessoal dela e de Deus. O que interessa é a obra que ela faz e a obra que ela está legando para a humanidade. Hoje temos dificuldades se o nosso vizinho é espírita, se é umbandista, evangélico ou esotérico. Quem sou eu para dizer que meu catolicismo é mais coerente do que a fé que ele professa? Agredir a religião do outro significa que há um enfraquecimento na minha fé. O Espírito de Assis dialoga com culturas e religiões. Francisco dialoga com o sultão numa troca de experiência de fé. Para Francisco de Assis não precisa haver guerra entre cristianismo e islamismo quando é possível dialogar no que as pessoas possuem de mais bonito: a fé! Em 2018 devíamos exercitar mais a tolerância.

Na Regra Bulada 6,8, Francisco de Assis fala do cuidado de mãe: “Se a mãe ama e nutre o seu filho carnal, quando mais diligentemente deve cada um amar e nutrir seu irmão espiritual?” E ainda citando o Documento do Capítulo Geral de 2015, no parágrafo 15:  “Falando de mãe, Francisco tem diante dos olhos o ideal de mãe natural, mas também nos convida a darmos um passo adiante para viver uma maternidade espiritual, Ser misericordioso significa ter o coração de mãe, que quer dar tudo o que é bom ao seu filho (...) O Papa Francisco recorda que os cristãos são chamados a viver a alegria do Evangelho e convida à reflexão sobre o fato de que “quando em uma família se perde a capacidade de sonhar, as crianças não crescem e o amor não cresce, a vida enfraquece e apaga-se” ( Papa Francisco, Discurso em Manila, 16/05/2015 ).Mais uma vez,  devemos  cultivar os nossos sonhos para uma vida mais plena”.

Outro dia uma pessoa muito querida me dizia, o meu cachorrinho é muito feliz porque é muito amado. E realmente, ao conviver com o cãozinho, ele era uma inteira energia que fazia vibrar uma intensa felicidade. E as pessoas? Por que nas famílias há muitas brigas e nas fraternidades de vida religiosa e vida franciscana há tensões por coisas banais? Por que somos mais pais e mães dos pets e não dos consanguíneos? Por que em nossas fraternidades o Ser irmão e irmã é tão estranho que nos sentimos num hotel e não numa vida de convivência fraterna?  Que em 2018 isto seja também motivo de mudança.

Textos inspiracionais das nossas Fontes, extraídos da Crônica de Tomás de Eccleston: 


“Porque o justo deve julgar sua vida pelo exemplo dos melhores, uma vez que os exemplos quase sempre compungem mais do que as palavras da razão; para que tenhais algo de próprio com que possais confortar vossos caríssimos filhos” (Ec 2).


“Os irmãos daquele tempo, tendo as primícias do Espírito, serviam ao Senhor não com constituições humanas, mas com livre afeto de sua devoção” ( Ec 27)


“Em todo tempo, os irmãos eram tão bem humorados e alegres entre si que apenas por olhar-se mutuamente se entregavam ao riso” (Ec 28).


“(...) Tu és menor pelo nome, sê menor pelos atos,
Suporta a fadiga, e a paciência rebaixe a mente soberba.
Na verdade, o coração censura a mente pequena,
A paciência purifica, quando algo é de lama;
Se alguém te corrige, este é quem te guarda;
Ele odeia não a ti, mas o mal que tu fazes. (...)
Será apenas uma sombra do menor
Aquele que busca o nome sem a realidade.” (Ec 37).

 
“Oh! Quão fortemente obrigados, oh quão docemente vencidos pelos benefícios divinos, oh quão honrados por imensa dignidade foram aqueles que nas dúvidas puderam ser dirigidos pelos conselhos, nos acontecimentos tristes ser confortados pelas consolações, nas coisas graves ser provocados pelos exemplos de tantas e tais pessoas que tinham as primícias do espírito! Oh graça inefável, oh prerrogativa incomparável, oh afeição suavíssima de doçura inexaurível, poder gozar a amizade de tão grandes homens, alegrar-se na presente peregrinação peço especial afeto de pessoas tão eminentes, recomendar-se pela graça de homens tão famosos “ (Ec 116 ).


“Disse ainda um frade pregador: “Três coisas são necessárias para a saúde temporal: o alimento, o sono e o bom humor”. Ordenou igualmente a um irmão melancólico que bebesse por penitência um cálice cheio de ótimo vinho; e como este tivesse bebido até ao fim, disse-lhe: “Irmão caríssimo, se tivesse frequentemente tal penitência, terias em todo caso uma consciência melhor” ( Ec 118).

Que façamos uma humorada crônica de nossa vida em 2018! Paz e Bem!

Segunda, 08 Janeiro 2018 13:31

O Caminho da vida

“Construí amigos, enfrentei derrotas, venci obstáculos, bati na porta da vida e disse-lhe: Não tenho medo de vivê-la” (Augusto Cury).

A vida é uma construção que se dá num caminho... no caminho da existência, no caminho do chão essencial onde nos fazemos e participamos também do processo de ‘feitura” das pessoas que seguem conosco. Já foi dito que o caminho se faz caminhando... então é preciso descortinar aquilo que está diante de nós, percorrer a estrada, nos refazer a cada amanhecer, acolher esse dom maior de DEUS e seguir sem medo...

 

Procure utilizar a energia do medo a seu favor, pois, caso contrário,  ele pode paralisá-lo (a). Trace suas metas e objetivos, pois uma pessoa sem ideal perde o sentido do caminho. Lembre-se: nunca é tão fácil perder-se como quando se julga conhecer o caminho! Não existe um conhecimento prévio, pois a dinâmica da vida nos reserva sempre novas surpresas. Aproveite também para contemplar a beleza que está sempre na beira da estrada...

 

Tenha uma abençoada semana!

Frei Paulo Sérgio, ofm