Raphael

Raphael

Participe conosco do Tríduo em honra a Santa Clara, que como São Francisco despojou-se de tudo para abraçar o Cristo e a Pobreza. Clara é expressão feminina do carisma Franciscano.  

 

1º Dia - 08/08(terça-feira) às 19hs (matriz) - Frei Paulo

Tema: Santa Clara, serva da Pobreza

 

2º Dia - 09/08(quarta-feira)  às 19hs (capela) Frei Renildo

Tema: Santa Clara, seguidora de Cristo

 

3º Dia - 10/08(quinta-feira)  às 19h (capela) - Frei Paulo

Tema: Santa Clara, exemplo a seguir.

 

Segunda, 07 Agosto 2017 08:04

Compaixão

“Quando você tem sua mente umedecida com amor, você pode começar a meditar sobre a compaixão” (Dalai Lama).

A verdadeira compaixão não consiste em sofrer pelo outro, mas em sofrer com-o-outro. Significa entrar na pele daquela pessoa que sofre para com-partilhar com ela, ser-um-com-ela naquele momento. Se ajudamos uma pessoa que sofre e nos deixamos invadir por seu sofrimento, é que somos ineficazes e estamos tão somente reforçando nosso ego...

Quanto mais nos importamos com a felicidade de nossos semelhantes, maior o nosso próprio bem-estar. Ao cultivarmos um sentimento profundo e carinhoso pelos outros, passamos automaticamente para um estado de serenidade. É o prazer de sentir amor e alegria com o crescimento e a evolução das pessoas... A felicidade verdadeira é sempre compartilhada e nunca um estado de egoísmo e solidão...

Tenha uma abençoada e produtiva semana!

Frei Paulo Sérgio, ofm

Quarta, 02 Agosto 2017 15:15

Paciência

“Se você é paciente em um momento de raiva, você evitará cem dias de sofrimento” (Provérbio Chinês).

Paciência e perseverança tem o efeito mágico de fazer as dificuldades desaparecerem e os obstáculos sumirem. Na pa-ciência está a ciência de esperar, de vivenciar o tempo da espera, de acolher a enfermidade e sair mais fortalecido... A paciência é a única solução para os males que não têm solução.

A paciência é uma das características do "ser educado e humanizado". Saber agir com paciência significa não agir com pressa, ser atento e cuidadoso com o que se está fazendo; saber ouvir, ver, sentir e falar com parcimônia. A paciência é uma virtude que deve ser cultivada ao longo de toda a vida: é o estar totalmente entregue ao momento, sem a necessidade de controlar...

Abraços terapêuticos,

Frei Paulo Sérgio, ofm

Quarta, 02 Agosto 2017 08:29

Nossa Senhora dos Anjos -Porciúncula

Dedicação da basílica patriarcal. Indulgência plenária do Perdão de Assis.

Pelo singular amor que consagrava à Bem-aventurada Virgem Maria, São Francisco de Assis teve sempre particular cuidado por uma capelinha dedicada a Santa Maria dos Anjos, também chamada da Porciúncula. Foi aí que fundou a I Ordem, dos Frades Menores, e colaborou na fundação da II Ordem acolhendo Santa Clara; e aí também recebeu os irmãos e irmãs que de toda a parte acorriam para se inscrevem na III Ordem da penitência; aí, finalmente, completou a carreira da sua vida santa. Foi o berço de toda a vida e expansão franciscana.

Para essa capela o santo fundador obteve do papa Honório III a célebre indulgência também chamada do Perdão de Assis, que outros Pontífices posteriores confirmaram e estenderam a numerosas outras igrejas. Por essas gloriosas recordações celebra a Ordem Franciscana a festa de Santa Maria dos Anjos.

A lenda relativa ao acontecimento diz que uma noite, em fins de julho de 1216, o santo Pobrezinho se encontrava nessa capela absorto em oração pelos pecadores. Quando de repente uma brilhante luz iluminou o pequeno recinto e sobre o altar apareceram Jesus e Maria entre um coro de anjos. E o próprio Jesus se dirigiu a Francisco nestes termos: “Uma vez que tanto tens rezado pelos pecadores, venho propor-te que me peças em favor deles a graça que melhor te pareça”. Entre lágrimas de felicidade, respondeu Francisco: “Senhor, eu não passo também dum pobre pecador. Mas mesmo assim te peço, Senhor, que a todos os que vierem visitar esta igreja e se sintam arrependidos e tenham confessado os seus pecados, lhes concedas o perdão de todas as culpas”. Jesus sorriu, e também Maria. Então Francisco dirigiu-se também a ela, dizendo: “Senhora, advogada do gênero humano, peço-te que obtenhas do teu divino Filho esta grande graça”. A Virgem Maria falou então ao Filho, e este disse a Francisco: “Irmão Francisco, é realmente grande a graça que pedes, mas és digno dela e doutras ainda maiores. Por isso aceito o teu pedido, com a condição de ires ter com o meu Vigário na terra e lhe pedires da minha parte essa indulgência”. O Sumo Pontífice não teve relutância em secundar os desejos de Jesus, e por três vezes lhe repetiu a concessão. Francisco comunicou a grande indulgência do Perdão à multidão imensa que a 2 de Agosto de 1216 se reuniu em Santa Maria dos Anjos, começando por aquelas memoráveis palavras: “Quero enviar-vos a todos para o céu!”.

Com frequência o Santo repetia aos irmãos: “Fazei todo o possível por nunca abandonardes este local. Se vos fizerem sair por uma parte, entrai por outra. Este lugar é verdadeiramente santo. Aqui o Senhor nos fez nascer e crescer, e aqui iluminou os corações dos pobres com a luz da sua divina sabedoria”.

Terça, 01 Agosto 2017 13:39

Indecisão

“Indecisão é quando você sabe muito bem o que quer mas acha que devia querer outra coisa” (Adriana Falcão).

Por mais difícil que seja, uma decisão é sempre necessária. A cada decisão tomada, novas possibilidades irão surgir. Você não pode alterar o que está destinado a acontecer a partir de uma decisão tomada, mas você sempre pode mudar a decisão. Voltar atrás a uma decisão tomada é uma das maiores virtudes, isso se chama humildade.

in-decisão causa sofrimento e angústia. E esse ‘aperto na alma’ impele-nos a optar, a escolher, a decidir... É importante perguntar ao coração, meditar e rezar para encontrar a melhor decisão, o melhor caminho. O Espírito Santo é o melhor conselheiro nos momentos de dúvidas. Lembre-se: você não pode mudar seu coração, mas pode mudar suas atitudes em relação a ele...

Tenha uma abençoada e produtiva semana. Que o mês de agosto seja pleno de vida nova!

Frei Paulo Sérgio, ofm

Segunda, 31 Julho 2017 15:56

ESCALA DE MISSAS - AGOSTO DE 2017

Prezados, segue a escala referente ao mês de Agosto.

 

Vaticano, 30 Jul. 17 / 09:12 am (ACI).- Em suas palavras antes da oração do Ângelus na Praça de São Pedro, no Vaticano, o Papa Francisco assegurou que Cristo é “o tesouro escondido” que preenche nossa vida de significado.

Ao refletir sobre as parábolas do tesouro escondido e da pérola preciosa, no capítulo 13 do Evangelho de Mateus, o Sato Padre disse que Cristo é “o tesouro escondido, é Ele a pérola de grande valor. Ele é a descoberta fundamental que pode dar uma reviravolta decisiva à nossa vida, preenchendo-a de significado”.

Estas duas parábolas, destacou o Papa, “destacam a decisão dos protagonistas de vender qualquer coisa para obter o que descobriram”.

“No primeiro caso se trata de um camponês que casualmente encontra um tesouro escondido no campo onde está trabalhando. Não sendo o campo de sua propriedade, deve compra-lo se quiser o tesouro. Portanto, decide arriscar todos os seus pertences para não perder aquela ocasião realmente excepcional”, recordou.

Na segunda parábola, assinalou, “encontramos um comprador de pérolas preciosas. Ele, por ser um profissional, identificou uma pérola de grande valor. Também ele decide apostar tudo naquela pérola, ao ponto de vender todas as outras”.

“Essas semelhanças evidenciam duas características sobre a posse do Reino de Deus: a busca e o sacrifício. É verdade que o Reino de Deus é oferecido a todos, é um presente, mas não é colocado à disposição em um prato de prata. Requer um dinamismo: trata-se de buscar, caminhar, mexer-se”.

Francisco sublinhou que “a atitude de busca é a condição essencial para encontrar. É preciso que o coração arda de desejo de alcançar o bem precioso, ou seja, o Reino de Deus que se faz presente na pessoa de Jesus”.

“Diante da descoberta inesperada, tanto o camponês quanto o comprador percebem que têm diante de si uma ocasião única que não podem perder e, por isso, vendem tudo o que possuem”, destacou.

O Papa ressaltou que “o valor inestimável do tesouro” implica para ambos os protagonistas das parábolas “sacrifício, distanciamentos e renúncias”.

“Quando o tesouro e a pérola foram descobertos, isto é, quando encontramos o Senhor, é necessário não deixar estéril esta descoberta, mas sacrificar a ela qualquer outra coisa”, disse.

O Santo Padre indicou que “não se trata de desprezar o resto, mas de subordiná-lo a Jesus, colocando Ele em primeiro lugar. A graça em primeiro lugar”.

“O discípulo de Cristo não é alguém que se privou de algo essencial, é alguém que encontrou muito mais: encontrou a alegria evangélica dos doentes curados, dos pecadores perdoados, do ladrão a quem se abre a porta do paraíso”.

Francisco destacou que “a alegria do Evangelho preenche o coração e a vida inteira dos que se encontram com Jesus. Aqueles que se deixam salvar por Ele foram livrados do pecado, da tristeza, do vazio interior, do isolamento.  Com Jesus Cristo sempre nasce e renasce a alegria”.

O Papa exortou a descobrir “a proximidade e a presença consoladora de Jesus na nossa vida. Uma presença que transforma o coração e nos abre às necessidades e ao acolhimento dos irmãos, especialmente dos mais fracos”.

Ao finalizar sua mensagem, o Santo Padre incentivou os fiéis a pedir a intercessão da Virgem Maria, “para que cada um de nós saiba testemunhar, com as palavras e os gestos cotidianos, da alegria de ter encontrado o tesouro do Reino de Deus, isto é, o amor que o Pai nos deu mediante Jesus”.

Vaticano, 23 Jul. 17 / 10:00 am .- O Papa Francisco, durante a oração do Ângelus neste domingo na Praça de São Pedro, no Vaticano, exortou os cristãos a não desanimar no exercício do discernimento entre o bem e o mal e recordou que, em nossa vida, ambas as realidades convivem e que só Deus poderá separá-las no Juízo Final.

Para explicar, o Santo Padre se referiu à parábola do trigo e do joio da leitura evangélica do dia. “A narrativa se desenvolve em um campo com dois opostos protagonistas. De um lado, o dono do campo que representa Deus e semeia a boa semente; por outro, o inimigo que representa Satanás e semeia a erva ruim”.

“Com o passar do tempo, em meio ao trigo cresce também o joio e, diante disso, o patrão e seus servos têm diferentes opiniões. Os servos querem intervir arrancando o joio. Entretanto, o patrão, preocupado, sobretudo em salvar o trigo, se opõe dizendo: ‘Não. Pode acontecer que, arrancando o joio, arranqueis também o trigo’”.

Desse modo, o Pontífice assinalou que “Jesus nos diz que neste mundo o bem e o mal estão de tal forma entrelaçados, que é impossível separá-los e extirpar todo o mal. Somente Deus pode fazer isto e o fará no juízo final”.

Por isso, incentivou os cristãos a desempenharem um adequado exercício da liberdade, “onde se pratica a difícil tarefa do discernimento”.

“Trata-se – explicou – de conjugar, com grande confiança em Deus e na providência, dois comportamentos aparentemente contraditórios: a decisão e a paciência. A decisão é aquela de querer ser trigo bom, com todas as próprias forças, e portanto, tomar distância do maligno e de suas seduções”.

Por sua parte, “a paciência, significa preferir uma Igreja que é fermento na massa, que não teme sujar suas mãos lavando as roupas de seus filhos, antes que uma Igreja de ‘puros’, que pretende julgar antes do tempo, quem está e quem não está no Reino de Deus”.

Nesse exercício de discernimento, “o Senhor, que é a Sabedoria encarnada, hoje nos ajuda a compreender que o bem e o mal não se podem identificar com territórios definidos ou determinados grupos humanos”.

“Ele nos diz que a linha de separação entre o bem e o mal passa no coração de cada pessoa. Somos todos pecadores. Jesus Cristo, com sua morte na cruz e sua ressurreição, nos libertou da escravidão do pecado e nos dá a graça de caminhar em uma vida nova, mas com o Batismo nos deu também a Confissão, porque sempre temos a necessidade de sermos perdoados de nossos pecados. Olhar sempre e somente o mal que está fora de nós, significa não querer reconhecer o pecado que existe também em nós”.

Por último, o Papa destacou a paciência de Deus com os homens. “Quanta paciência Deus tem! Também cada um pode dizer isso: Quanta paciência Deus tem comigo!”.

Segunda, 17 Julho 2017 08:23

Seja o certo

“Você não pode viver sua vida para os outros. Você tem que fazer o que é certo para você, mesmo se isso machucar algumas pessoas que você ama” (Nicholas Sparks).

Cada um de nós traz a verdade na própria alma. Nascemos seres éticos, com a capacidade do discernimento, com o íntimo desejo de praticar o bem, de querer o bem, de buscar a felicidade... Por isso, devemos sempre nos perguntar: isso é leve para mim, isso é verdade para minha alma? Ou seja, devemos olhar para dentro de nós mesmos: é lá que estão as respostas mais adequadas...

Estamos ligados aos nossos atos como um fósforo à sua chama. Eles consomem-nos, é verdade, mas são eles que nos dão o nosso esplendor. E, se a nossa alma valeu alguma coisa, é porque ardeu com mais ardor do que outras... Então, somente o nosso jeito de viver conseguirá levar as pessoas a buscar também a luz que podem ver em nós...

Tenha uma ótima e abençoada semana!

Frei Paulo Sérgio, ofm.

Sexta, 14 Julho 2017 10:31

Fé na caminhada

“Eu não tenho muitas respostas. O que eu tenho é fé. E uma vontade bonita, toda minha, de crescer” (Ana Jácomo).

A vida é feita e cheia de perguntas...E as respostas devem ser refeitas a cada novo dia, pois as respostas de ontem já não valem mais para hoje... E, assim, vamos vivendo a intensidade da vida, no tempo e na eternidade de cada segundo, de cada momento, de cada dia. É preciso con-centrar toda força e todo poder no instante de cada ação, de todo fazer!

Independentemente do escuro da noite, do silêncio e dos receios da vida, quem tem fé em Deus nada teme. Não temer significa vencer o medo que, por vezes, quer nos paralisar. E, na fé, aprendemos a con-fiar na ação de Deus que vai tecendo conosco o fio da existência, ajudando-nos a coser uma linda colcha de retalhos... E, em cada retalho, uma experiência, um tempo, uma missão!

Tenha um excelente fim de semana!