Raphael

Raphael

Segunda, 27 Agosto 2018 09:57

Transformações

"Transformar nosso coração e mente é compreender como funcionam os pensamentos e as emoções” (Dalai Lama).

 

Para cultivar a sabedoria faz-se necessário a expansão da consciência. Sem crescimento interior e espiritualidade, é difícil conquistar a autoconfiança e a coragem necessárias. Sem elas, nossa vida se complica, torna-se árida e sem sentido..... A transformação interior (metanóia) é um processo dinâmico e contínuo. Ela é algo divino e também humano. Deus nos inspira, nos guia e nos orienta. A nós cabe a abertura, a fé e a coragem para seguir esse caminho...

 

O impossível torna-se possível com força de vontade, dedicação e muito empenho de nossa parte. Procure sentir a ação divina em você. Sinta o quanto você já e afortunado e deixe de re-clamar da vida (o universo envia a você tudo aquilo que você re-clama!). Você já é ricamente abençoado e o mundo está aí diante de você para ser transformado em algo melhor. Faça sua parte com amor e sinta sua própria participação na ação de recriar o mundo...

 

Tenha uma ótima e abençoada semana!

Frei Paulo Sérgio, ofm

Quarta, 22 Agosto 2018 17:08

Hoje

“Quando te dói olhar para trás e te dá medo olhar adiante, centra e concentra-te no aqui e agora” (Fr. Paulo Sérgio, ofm).

 

O passado serve sempre de aprendizado para a  construção de um hoje melhor, mais equilibrado e feliz. O futuro está na categoria do “se” e fica completamente fora de qualquer possibilidade de controle... Ele é sempre abstração, fruto da mente ansiosa e desconectada da vida no seu fluir. O hoje (momento atual) apresenta o real, o pulsar a consciência na sua expansão...

 

O caminho está na capacidade de expandir a consciência, ampliar a visão, permitir que cada momento seja intenso na sua duração... A prática diária da meditação possibilita uma saída do ego para a consciência... E, esta, expande para a consciência maior do planeta, do cosmos, do universo... Eis aí a ética da com-paixão, da comunhão com o TODO!

 

Tenha uma ótima e abençoada semana!

Frei Paulo Sérgio, ofm

Segunda, 20 Agosto 2018 13:36

Ousadia

“Suba o primeiro degrau com fé. Não é necessário que você veja toda a escada. Apenas dê o primeiro passo” (Martin Luther King).

 

A vida é feita de oportunidades... O homem que vai mais longe é quase sempre aquele que tem coragem de arriscar. Você ganha força, coragem e confiança através de cada experiência em que você realmente pára e encara o medo de frente. O medo é sempre mental, um implante distrator (causa distração na mente), algo que veio de fora. Quando você começa a observá-lo, você começa a retirar energia dele...

 

Não deixe o barulho da opinião dos outros abafar sua voz interior. E mais importante: tenha a coragem de seguir seu coração (consciência) e sua intuição. Eles, de alguma forma, já sabem o que você realmente quer se tornar. Na verdade, o humano é chamado a ser o que ele é em essência. Então, siga em frente com audácia, vigor e coragem...

 

Abraços terapêuticos,

Frei Paulo Sérgio, ofm

- Seu nome significa “batalhador e valente”. Tinha uma incrível capacidade de persuasão com a qual levou centenas de homens aos pés de Cristo, incluindo toda a sua família. Foi conselheiro de reis e Papas, escreveu vários livros e uma das orações mais formosas à Virgem. Era conhecido como “o caçador de almas e vocações” e “o oráculo da cristandade”.

São Bernardo de Claraval nasceu no castelo de Fontaine-les-Dijon, localizado na Borgonha (França), em 1090. Sua família pertencia à nobreza francesa, já que seu pai Tescelino era um dos cavaleiros do Duque de Borgonha e sua mãe Alice era filha de um poderoso senhor feudal chamado Bernardo de Montbard. Foi o terceiro de sete filhos.

Desde a infância, teve uma relação estreita com sua mãe, que durante sua gravidez teve uma visão sobre a vida do santo. Bernardo era muito sensível e reservado. Junto com seus irmãos, recebeu uma esmerada educação em história, literatura e latim.

Quando sua mãe morreu, o jovem voltou seus olhos para a Virgem Maria, por quem tinha uma forte devoção durante toda a sua vida. Compôs o “Lembrai-vos”, uma de suas mais belas orações marianas.

Durante sua juventude, desenvolveu uma personalidade alegre, inteligente, bondosa e carismática. Seu temperamento vigoroso o levou a se inclinar por atrações e amizades mundanas, mas no fundo sentia-se vazio e cansado.

Uma noite de Natal no ano de 1111, Bernardo adormeceu. Em seu sonho apareceu a Virgem levando o Menino Jesus em seus braços e o oferecia para que o amasse e o fizesse ser amado pelos demais. Desde então, decidiu se dedicar a Deus e alcançar a santidade.

Para combater as tentações carnais, revolvia-se em gelo. Em 1112, ingressou no mosteiro cisterciense de Citeaux, fundado por São Roberto, Santo Alberico e Santo Estêvão Harding, e era o primeiro lugar onde se praticava rigorosamente a regra de São Bento. Santo Estêvão, que era o prior, aceitou Bernardo com alegria, porque não recebiam vocações há 15 anos.

Com apenas 25 anos, foi enviado como superior para fundar, com outros doze monges, um novo mosteiro em Champagne, ao qual chamou Clairvaux (Claraval – que significa vale claro).

São Bernardo era dotado de uma incrível capacidade de persuasão e de fascinação. Levou muitas almas para a vida religiosa e, por isso, ganhou o apelido de “o caçador de almas e vocações”. As jovens tinham medo de que seus noivos falassem com o santo, porque Bernardo ia às universidades, aos povoados e aos campos para falar sobre as maravilhas e os benefícios da vida religiosa e acabava convencendo muitos.

Fundou cerca de 300 conventos e conseguiu que 900 homens professassem os votos. Um de seus discípulos, Bernardo de Pisa, chegou a se tornar Papa sob o nome Eugênio III.

A família que alcançou Cristo

Além de pertencer a uma família nobre, Bernardo pertenceu a uma família santa.

Sua mãe, a Beata Alice Montbard, foi uma mulher caritativa e entregue à vontade de Deus. Formou na fé cristã seus sete filhos e morreu rezando o terço. Seu pai, o Venerável Tescelino, perdoou um cavalheiro que o desafiou para um duelo e o feriu com sua lança. Ensinou a seus dois filhos mais velhos, o Beato Gerardo e o Beato Guy, a importância da misericórdia.

Quando São Bernardo manifestou diante de sua família sua decisão de se tornar religioso, a princípio se opuseram, mas o santo conseguiu convencê-los e levou consigo seus quatro irmãos mais velhos, o Beato Gerardo, o Beato Guy, o Beato Andrés e o Beato Bartolomeu, seu tio e 31 companheiros. Quando saiam, o Beato Nirvardo, o irmão mais novo, disse: “Ah! Como vocês vão ganhar o céu e me deixam aqui na terra? Não posso aceitar isso”. Anos mais tarde, o caçula da família se tornou um religioso.

Antes de ingressar no mosteiro, Bernardo conduziu seus familiares e amigos a uma fazenda para prepará-los espiritualmente. Tempos depois, seu pai Tescelino entrou no mosteiro de Citeaux.

A esposa do Beato Guy, Isabel, também se tornou monja com suas duas filhas. A irmã do santo, a Beata Humbelina, que ansiava pela vida religiosa graças aos conselhos de seu irmão, chegou a um acordo mútuo com seu marido, Guy de Marcy, de que ambos se consagrariam a Deus. Guy se foi com demais familiares. Humbelina fundou vários conventos e seu lema foi “Amar é servir”.

A fama de suas qualidades intelectuais e espirituais era tão grande que os príncipes e bispos o consultavam para os assuntos mais importantes e respeitavam suas opiniões e decisões. Chamavam-no “o oráculo da cristandade”.

Bernardo morreu no dia 21 de agosto de 1153, aos 73 anos, e tinha sido abade por 38. Foi canonizado em 1174 e proclamado Doutor da Igreja em 1830.

Dona Beatriz da Silva nasceu na vila de Campo Maior, em Portugal, por volta de 1437. Ela foi da linhagem dos reis de Portugal, filha de Rui Gomes da Silva, alcaide-mor de Campo Maior, e de sua mulher dona Isabel de Meneses, filha natural de dom Pedro de Meneses, 1.º conde de Vila Real e 2.º conde de Viana do Alentejo. Teve pelo menos doze irmãos. Ainda pequena, dona Beatriz da Silva partiu para a corte régia de Castela, em 1447, como donzela da rainha Isabel, segunda mulher do rei João II de Castela.

A presença de dona Beatriz na corte não passou despercebida. Sua formosura cativante encantou a todos. A rainha, dominada por uma mistura de ciúme e inveja, fechou dona Beatriz em um cofre, mas uma invisível proteção da Virgem Maria a salvou. Após este triste episódio, ela deixa Tordesilhas, onde a corte régia então estava instalada, e vai para Toledo, onde se recolheu no Mosteiro de São Domingos, o Real, de monjas dominicanas. Por devoção, decidiu manter sempre seu rosto coberto com um véu branco, de forma que, enquanto viveu, nenhum homem e nenhuma mulher viu seu rosto. Permanece neste mosteiro por cerca de 30 anos.

Em 1484, a rainha dona Isabel, a católica, doa-lhe os Palácios de Galiana onde existia uma Igreja antiga que tinha o nome de Santa Fé. Dona Beatriz, passada a esta casa, começou a adaptá-la para a forma de mosteiro. Levou consigo dona Filipa da Silva, sua sobrinha e outras onze mulheres, todas de hábito religioso, embora não pertencessem a uma Ordem. E, uma vez instalada na nova casa, querendo dar fim à sua determinação, estabeleceu a maneira de viver que queria e enviou-a a Roma, numa súplica conjunta com a rainha. Foi tudo aprovado e outorgado pelo Papa Inocêncio VIII pela bula “Inter Universa” em 1489. O Mosteiro já estava fundado e tudo já fora preparado para entregar o hábito a ela e às monjas que ela havia instruído, quando Nosso Senhor quis chamá-la.

Morreu no ano de 1492. Na hora de sua morte, foram vistas duas coisas maravilhosas. Uma foi que, quando lhe levantaram o véu para administrar-lhe a unção foi tal o esplendor de seu rosto que todos ficaram admirados. A segunda, foi que em sua fronte viram uma estrela, que lá ficou até que ela expirou, e que emitia uma luz e um esplendor igual à luz quando mais brilha. Faleceu com fama de santidade.

Em 1511, o Papa Júlio II atribui à Ordem nascente Regra Própria. Dona Beatriz foi beatificada pelo Papa Pio XI em 26 de julho de 1926 e solenemente canonizada em 3 de outubro de 1976 pelo Papa Paulo VI. Sua Festa é celebrada no dia 17 de agosto.


 Nota: A expressão “Dona Beatriz da Silva” é um título usado na época, por ser ela descendente de reis e de condes. Era o costume da época. “Dona” não era qualquer mulher, como hoje nós chamamos a qualquer senhora. “Dona” eram apenas algumas de entre as mulheres nobres. As que possuíam esse título possuíam desde o batismo e jamais deixavam de o usar fazia parte do seu nome.

Sexta, 17 Agosto 2018 11:47

Sabedoria

“Toda forma de saber nasce de um não saber. A gente sabe da importância da luz, no momento em que a gente está no escuro!” (Pe. Fábio de Melo).
 
Acumular informações ou adquirir conhecimentos não configura, necessariamente, sabedoria. Esta nasce da capacidade de saborear o conhecimento, de permitir que este faça parte da vida, que nos faça crescer na experiência humana e, consequentemente, faça de nós pessoas melhores, mais evoluídas, mais sensíveis à dor e ao sofrimento das pessoas.
 
As crianças aprendem porque se encantam com o conhecimento, não possuem idéias prontas e acabadas e nem querem ter razão. A sabedoria está na desconstrução do conhecimento, de não permitir que ele nos enrijeça e nos faça parar de pensar criativamente, principalmente pela intuição... Quem ainda se espanta com um por do sol e se delicia numa noite de estrelas está pronto para entrar no conhecimento da sabedoria...
 
Tenha um ótimo fim de semana...
Frei Paulo Sérgio, ofm
Quarta, 15 Agosto 2018 12:02

Silêncio e Oração

“Se orais por algo, orai em primeiro e em último lugar pedindo compreensão” (Mikhail Naimy).

 

Há muitas coisas neste mundo que não nos cabe compreender. Há outras que jamais iremos compreender... Mas, há aquelas que a gente deve depositar diante do sagrado, em espirito de oração e de abertura ao Espirito Santo... É este que nos capacita a COMPREENSÃO, pois somente a consciência é que nos conduz à iluminação, ao encontro com a sabedoria interior.

 

A sabedoria começa quando aprendemos a manter o silêncio sagrado. No silêncio aprendemos a escutar o sussurro de Deus... E, assim, vamos crescendo no espirito da confiança. E a entrega vai acontecendo quando permitimos DEUS agir em nós, revelar para nós aquilo que precisamos aprender, aceitar e compreender... No silêncio do teu ser, peça a DEUS que te conceda a SAGRADA COMPREENSÃO...

 

Abraços terapêuticos,

Frei Paulo Sérgio, ofm

Segunda, 13 Agosto 2018 18:52

Guardião da Luz

“Apesar de aparecer na forma terrena, sua essência é pura consciência. Você é o destemido guardião da luz divina” (Rumi).

 

Nosso corpo é o “lugar” onde nosso espírito e nossa alma acontecem... O corpo é o lugar da manifestação de nossa energia divina, também chamada de espírito... E o espirito é o ‘ruah’ (em hebraico) e pneuma (em grego)... O Ruah é o sopro divino, a vida divina que acontece em nós... O espírito engendra a VIDA dentro, vida esta que é plena, pois é divina!

 

Na nossa jornada humana somos guardiães da luz divina, cuidadores do fogo santo que está dentro de nós... A nossa consciência nos convida a superar nossa personalidade, romper com a casca dura que construímos em torno de nós... No início a personalidade foi a saída para nos proteger, mas agora é uma carapaça que nos impede de voar... Eis que chega o tempo da meta-morfé-ose...

 

Tenha uma ótima e abençoada semana!

Frei Paulo Sérgio, ofm

 
 
Sexta, 10 Agosto 2018 09:34

Meditação

“A inspiração que você procura já está dentro de você. Fique em silêncio e escute” (Rumi).

 

No sentido estrito, o verbo inspirar é a capacidade de levar o ar aos pulmões. No sentido amplo, a inspiração é a capacidade de trazer o Espírito Santo para dentro de nós, respirar o ar (ruah = sopro vital) para que possamos encontrar, dentro de nós, as respostas, as soluções, as saídas... Em nós habita o SER, o espírito, o sopro divino que nos faz viver, sonhar, caminhar, saltar, cruzar vales e montes... Em nós o espírito nos faz voar!

 

Faz-se necessário o silêncio em nós, calar a mente tagarela que insiste que olhemos para fora, enquanto a verdade está dentro... No silêncio e na meditação fazemos comunhão com o nosso ser, aprendemos a escutar nossa alma e o nosso coração... Tudo que precisamos saber já foi dado, está dentro de nós... Basta a paz e a calma para mergulhar em nosso SER!

 

Abraços terapêuticos e um excelente fim de semana!

Frei Paulo Sérgio, ofm