Raphael

Raphael

Imediatamente após a canonização, que ocorreu em 16 de julho de 1228, o Papa Gregório IX quis que em honra a São Francisco, o “Poverello de Assis”, fosse elevado um magnífico templo e ali seus restos mortais fossem preservados. O mesmo Pontífice abençoou a pedra fundamental em 17 de Julho de 1228 e, na festa de Pentecostes, 25 de maio de 1230, ordenou que o corpo do santo foi transportado da igreja de São Jorge para a nova basílica, a igreja-mãe da Ordem dos Ordem dos Frades Menores. Inocêncio IV a consagrou solenemente em 1253, elevando à basílica patriarcal e capela papal por Bento XIV em 1764.

São Francisco queria morrer perto da Porciúncula, onde havia iniciado a vida religiosa. Mas aquele que havia escolhido a pobreza como um caminho para amar e deixava-a como herança a seus filhos.

A construção da basílica superior começou logo após 1239 e foi finalizada em 1253. Sua arquitetura é uma síntese do Românico e do Gótico Italiano. As igrejas foram decoradas pelos maiores artistas daquele tempo, vindos de Roma, Toscana e Úmbria. A igreja inferior tem afrescos de Cimabue e Giotto; na igreja superior está uma série de afrescos com cenas da vida de São Francisco, também atribuída a Giotto e seus seguidores. A Basílica é administrada pelos Frades Menores Conventuais (OFM Conv). Os Frades Franciscanos Conventuais são os guardiães dos restos mortais do Santo de Assis.

No dia 26 de setembro de 1997, Assis foi atingida por dois fortes terremotos que danificaram severamente a basílica (parte do teto dela ruiu durante o segundo tremor, destruindo um afresco de Cimabue), que passou dois anos fechada para restauração.

A Basílica inferior, que representaria a penitência, consiste em uma nave central com várias capelas laterais com arcos semicirculares. A nave é decorada com os afrescos mais antigos da igreja, criados por um artista chamado Mestre de São Francisco. Eles mostram cinco cenas da Paixão de Cristo à direita, e à esquerda, cenas da vida de São Francisco. Esses afrescos foram finalizados em 1260-1263. São considerados os melhores exemplos da pintura mural da Toscana, antes de Cimabue.

Como a popularidade da igreja aumentou, capelas laterais para famílias nobres foram adicionadas entre 1270 e 1350, destruindo os afrescos na paredes. A primeira capela à esquerda é decorada com dez afrescos de Simone Martini. Esses estão entre os maiores trabalhos de Martini e os melhores exemplos da pintura do século XIV.

A nave termina em uma abside semicircular ricamente decorada, precedida por um transepto. Os afrescos no transepto direito mostram a infância de Cristo, feitos parcialmente por Giotto e seus aprendizes e a Natividade pelo anônimo Mestre di San Nicola. O nível inferior mostra três afrescos representando São Francisco ajudando duas crianças. Esses afrescos de Giotto foram revolucionários para a época, pois mostravam pessoas reais com emoções em uma paisagem realista.

Na parede do transepto, Cimabue pintou uma de suas obras mais famosas: Nossa Senhora com São Francisco, Anjos e Santos (1280). Esse é provavelmente o retrato mais assemelhado a São Francisco. A pintura estática em estilo gótico contrasta com as pinturas dinâmicas de Giotto. O transepto esquerdo foi decorado pelo pintor Pietro Lorenzetti e seus aprendizes entre 1315 e 1330. Os afrescos mostram seis cenas da Paixão de Cristo, sendo a mais impressionante a Descida da Cruz, onde se percebe a sombra em uma pintura pela primeira vez desde a Antiguidade.

assis_240518

Cripta com túmulo de São Francisco de Assis

Pela nave se pode descer para a cripta através de uma escadaria dupla. Esse local, que guarda o túmulo de Francisco foi descoberto em 1818.

O túmulo tinha sido escondido por Frei Elia para evitar que suas relíquias se espalhassem pela Europa medieval. Por ordem do Papa Pio IX, uma cripta foi construída embaixo da Basílica inferior. Foi projetada por Pasquale Belli com mármore fino em estilo neoclássico, mas foi redesenhada em pedra crua em estilo neo-Românico por Ugo Tarchi entre 1925 e 1932.

Ao lado da Basílica, fica o Sacro Convento, que se assemelha a uma fortaleza e que já era habitado em 1230. O Convento agora abriga uma vasta biblioteca (com obras medievais), um museu com obras de arte doadas por peregrinos pelos séculos e também 57 obras (principalmente das Escolas Florentina e Sienesa) da Coleção Perkins.

Nave da Basílica superior

A entrada da Basílica superior (que representa a glória) é pela arcada do convento dos frades. O estilo dessa área é completamente diferente da Basílica inferior. Grandes janelas de vidro colorido banham com luz as obras de Giotto e Cimabue.

A parte final ao oeste do transepto e a abside foram decoradas com vários afrescos de Cimabue e seus aprendizes (1280). Infelizmente, devido ao material usado na obra, os afrescos logo sofreram os efeitos da umidade. Estão hoje muito deteriorados e foram quase reduzidos a meros negativos fotográficos.

A parte superior, em ambos os lados da nave, muito danificada pelos terremotos de 1997, foi decorada em duas filas com um total de 32 cenas do Velho Testamento e do Novo Testamento. Como levava cerca de seis meses para que se pintasse apenas uma parte da nave, diferentes artistas romanos e toscanos, seguidores de Cimabue, trabalharam na obra, tais como Giacomo, Jacopo Torriti e Pietro Cavallini.

Mas a obra mais importante da Basílica é, sem dúvida, a série de 28 afrescos atribuídos a um jovem Giotto na parte baixa da nave. Giotto usou a Legenda Maior, a biografia de Francisco para reconstruir os maiores eventos da vida do santo. As pinturas são vívidas, como se Giotto tivesse sido uma testemunha ocular da história. Os afrescos foram executados entre 1296 e 1304. Contudo, a autoria da obra ainda é debatida. Alguns críticos acreditam que a série tenha sido feita por um grupo de artistas inspirados em Giotto.

Quarta, 23 Maio 2018 09:08

Recomeços

“O conformismo é carcereiro da liberdade e o inimigo do crescimento” (John Kennedy).

 

Há sempre escolha entre voltar atrás para a segurança do caminho conhecido ou seguir em frente para o crescimento. O crescimento deve ser escolhido uma, duas, três e infinitas vezes; o medo deve ser superado uma, duas, três e infinitas vezes. E isso é um processo que sempre recomeça...

 

Quando nos con-formamos com uma situação ela passa a nos dominar, pois a incorporamos em nossas atitudes. Quando ficamos in-conformados, passamos a refletir e pensar em nossa maneira de ser... Isso causa uma vontade de mudar, de modificar, de buscar outras soluções. O que nos in-comoda, permite o caminho da cura, da mudança, da trans-forma-ação!

 

Tenha um ótimo e abençoado dia!

Frei Paulo Sérgio, ofm

Segunda, 21 Maio 2018 16:07

Superação

“Deus nos dá o dom de eternizar em nós o que vale a pena, e esquecer definitivamente aquilo que não vale... " (Pe. Fábio de Melo).

 

O que realmente vale a pena e marca positivamente nossas vidas fica guardado em nossa memória emocional. Neste lugar não há necessidade de fotografias, pois o coração tudo guarda e faz a emoção e o sentimento reviverem cada vez que voltam à tona através da lembrança. Os momentos mágicos e de encantamento proporcionam crescimento em nossa dimensão emocional, pois tornam-se espaço onde o amor faz morada em nós...

 

Tudo aquilo que marca negativamente precisa ser transformado de nós através da cura dos traumas e de tudo aquilo que nos faz sofrer. A cura pode ser alcançada pela espiritualidade, pela terapia e pela oração. O amor de Deus em nós tem o poder de nos transformar, de nos fazer suplantar traumas e sofrimentos herdados desde nossa vida intrauterina. A cura está dentro de você: então acione o botão que permite a luz e o amor de Deus entrar...

 

Abraços terapêuticos,

Frei Paulo Sérgio, ofm

Sexta, 18 Maio 2018 09:39

Outono

“O outono é o tempo em que as árvores libertam suas folhas para aprenderem a voar” (Andre Saut).

O outono da vida é a chegada da serenidade, da reflexão e da estabilidade emocional. O outono pode ser também o encontro com o passado e a esperança renovada. Também pode ser o tempo oportuno dos encontros que foram esfriando pelo tempo, aquecidos por algumas taças de vinho ou de grandes risadas em torno das fogueiras...

Sei que o outono chega para levar com seu vento aquilo que precisa ser desprendido, para que as folhas secas possam aprender a voar e levar para longe aquilo que já não pode ser mais carregado... É tempo oportuno de renovação da vida, das amizades, dos planos e dos objetivos. Outono é tempo de recomeços!

Tenha uma ótima e abençoada semana!
Frei Paulo Sérgio, ofm

Quarta, 16 Maio 2018 10:56

Alegria

“Estou sempre alegre e essa é a melhor maneira de resolver os problemas da vida” (Charles Chaplin).

 

A alegria adquire-se, é um aprendizado, é uma busca existencial de cada um. A alegria é uma atitude de coragem, pois cria umadis-posição interna na alma da pessoa. Ser alegre não é fácil, é um ato da vontade. Depende um querer intenso que faz com que sejamos capazes de superar as tristezas e provações da vida...

 

O filósofo Sócrates, que viveu no séc. IV a.C, refletindo sobre a alegria, assim nos diz: “a alegria da alma constitui os belos dias da vida, seja qual for a época”. Lembre-se: a alegria não é apenas um conceito abstrato, ela deve ser um modo de ser, uma manifestação em nossas vidas. Ser alegre melhora a saúde física e emocional e faz-nos aproximar ainda mais da felicidade...

 

Tenha um ótimo e iluminado dia!

Frei Paulo Sérgio, ofm

 
Segunda, 14 Maio 2018 15:36

Conquistas

“Para ter algo que você nunca teve, é preciso fazer algo que você nunca fez” (Chico Xavier).

Toda nossa ação, todo nosso fazer, todo esforço dedicado deve estar ungido pelo óleo do amor. Esse ir além deve ser a energia e a dis-posição para atingirmos as pessoas de uma maneira diferente: o amor não nasce do pensar, mas da dedicação, do afeto, do querer bem, da abertura da alma para acolher a outra pessoa. Amar é tarefa árdua que exige disponibilidade e espírito de serviço...

Mesmo diante das dificuldades, sejamos capazes de enxergar algo de bom em cada momento ruim que venha a nos acontecer. Diante das provas da vida e das dificuldades da subida podemos enxergar novas paisagens, abastecer o coração com a beleza que vai ficando na planície. Procure, pois, fazer aquilo que ainda não teve coragem de fazer... Talvez aí esteja a grande oportunidade de seu crescimento!

Tenha uma ótima, abençoada e produtiva semana!
Frei Paulo Sérgio, OFM

Jesus Cristo, Verbo Eterno do Pai, permanece vivo no seio do seu povo e no coração de cada batizado e batizada. Neste Domingo da Ascensão, a Igreja celebra a conclusão do percurso histórico do Cristo para o início de sua presença viva e atuante naqueles que aderem a seu projeto. O envio missionário apresentado no Evangelho deste Domingo (Mt 16,15-20) é a instrução clara de Jesus confiando a seus a continuidade da missão de anunciar a Boa-Nova a todos os povos de todos os tempos. Sem abandonar a Igreja, Jesus delega a Ela a tarefa de torná-lo presente em cada contexto, especialmente naqueles onde a cruz continua a pesar nos ombros dos prediletos do Senhor.

Anunciar a Boa-Nova significa levar, com a Palavra e a Ação, consolação aos aflitos, esperança aos desanimados e suscitar nos corações a capacidade de se tornarem solidários e solícitos aos dramas humanos. Agir em consonância com a lógica da Boa Notícia significa, portanto, assumir a responsabilidade de ser presença encarnada do Cristo na vida da humanidade. Verdadeira atualização realizada na carne daqueles que se colocam a serviço de curar as feridas que ardem no corpo e na alma de tantos irmãos e irmãs. Seguir adiante nesta tarefa é a razão de ser da Missão da Igreja e de cada cristão.  É caminho certo de realização plena para quem se deixa de fato guiar pela Luz que o Ressuscitado continua a oferecer, revelando que Deus ama o seu povo com amor materno.

O Dia das Mães, providencialmente celebrado na data em que se recorda a Festa de Nossa Senhora de Fátima, é momento de pedir à “Mãezinha do Céu” que seus olhos plenos de maternidade amorosa gerem reflexos que inspirem aos cristãos o amor–entrega tão necessário nos tempos atuais. Também ao recordar os 130 anos de Assinatura da Lei Áurea que, em tese, marcou o fim da Escravidão no Brasil, a Igreja se empenhe de maneira visceral na luta contra todo racismo e toda injustiça social, condição indispensável para manter-se fiel e obediente à Missão confiada pelo Mestre que hoje sobe aos céus. E que, no Dia Mundial das Comunicações Sociais, o Povo de Deus busque comprometer-se com a promoção da verdade, do diálogo, da justiça e da paz.

Terça, 08 Maio 2018 11:26

Viver de amor

“O benfeitor bate na porta, mas aquele que ama a encontra aberta” (R. Tagore).

Lutamos, procuramos, desejamos encontrar o amor verdadeiro, mas nem sempre estamos dispostos a pagar o seu preço! É isso mesmo, existe um preço para estar na dinâmica do amor: o preço da não retribuição, o preço da renúncia, o preço da dedicação e da entrega. O amor verdadeiro pode nos consumir, como o mar consome as águas dos rios tornando-as salgadas, tragando-lhes suas doçuras!

Não podemos querer preencher nossas carências e vazios nos objetos ou nas pessoas. Devemos procurar nas pessoas complementação, troca, afetividade, amizade... Mas é preciso também levar o melhor de nós, sem a necessidade obsessiva de querer controlar, de submeter a outra pessoa. Como nos ensina Victor Hugo, “vós, que sofreis, porque amais, amai ainda mais. Morrer de amor é viver dele”...

Tenha uma ótima e abençoada semana!
Frei Paulo Sérgio, ofm

Sexta, 04 Maio 2018 09:55

Consciência

“Se as portas da percepção estivessem limpas, tudo apareceria para o homem tal como é: infinito” (William Blake).

 

William Blake escreveu que existem as coisas conhecidas e as coisas desconhecidas. E entre elas, há portas. E, tais portas, precisam ser encontradas para que sejam abertas e possamos acessar o desconhecido... E onde estão estas portas? Dentro de cada um de nós: é a abertura para a sabedoria, o caminho que começa na nossa própria consciência...

 

É certo que temos muita ciência (informações e conhecimento). O que falta é transformar ciência em cons-ciência, abertura para o nosso SER, capacidade de perceber a eternidade acontecendo dentro de nós... A plenitude não pode ser apenas um desejo de futuro ou um lugar bem distante de nós. Se a plenitude não for experimentada dentro de cada um de nós ela não estará em nenhum outro lugar...

 

Tenha um excelente fim de semana!

Frei Paulo Sérgio, ofm

Quarta, 02 Maio 2018 16:49

Palavras

“Quando as palavras perdem o seu significado, as pessoas perdem a sua liberdade” (Confúcio).

É preciso purificar nossos corações, como também nossas mentes. A arte de pensar faz com que pronunciemos palavras mais acertadas, palavras construtivas... Mas o pensar não é neutro, pois provém de nós mesmos, com tudo aquilo que somos. Daí a importância de cultivar um coração puro, alegre, repleto de amor pela vida e pela expressão do humano que se manifesta no rosto de cada pessoa.

As palavras são bem-ditas quando forem capazes de erguer as pessoas e de criar esperança nos corações. São bem-ditas as palavras que devolvem a paz, que criam espaço para o amor nascer, que proporcionam momentos de crescimento. Então, procure cultivar o amor dentro de você; sorria para a vida e para as pessoas; diga a você mesmo e ao mundo que é fantástico participar da jornada da vida, que ela (a vida) é um dom infinto que pulsa dentro de cada um de nós...

Abraços terapêuticos,

Frei Paulo Sérgio, ofm